Artistas criam galeria em cooperativa

Ao contrário do marasmo que costuma tomar conta do circuito das artes plásticas nos feriados, esse 15 de novembro promete ser animado, com a inauguração de dois espaços interessantes na cidade. Além da Galeria Brasiliana, também abre as portas pela primeira vez amanhã à tarde o Espaço Virgílio, uma espécie de cooperativa que pretende ser um espaço multidisciplinar. Além de abrigar exposições, como a mostra de Vera Sandroni, escolhida para inaugurar o local, o sobrado de 450 metros quadrados da Rua Virgílio Carvalho Pinto também promoverá workshops, cursos, seminários e um showroom de materiais artísticos.Os seis fundadores - André Balbi, Eva Castiel, Fanny Feigenson, Graciela Rodrigues , Sheila Drysum e Airys Kury - pretendem usar o novo espaço como uma espécie de ateliê coletivo e terão suas obras expostas no local. Mas o grande destaque da programação devem ser as exposições temporárias, organizadas por curadores convidados.Não por acaso, a curadoria da mostra inaugural do Espaço Virgílio é do artista plástico e professor Carlos Fajardo. Afinal, foi em seu curso que os membros dessa "cooperativa artística" se conheceram e decidiram desenvolver um trabalho em grupo. O primeiro fruto dessa união foi a exposição Casa Blindada, em março deste ano.No exílio - Ao escolher Vera Sandroni para realizar a mostra inaugural do espaço, Fajardo atendeu bem os objetivos do grupo. Apesar de uma longa carreira, Vera ainda é uma artista pouco conhecida no mercado, realizando agora sua terceira exposição individual. Com mais de 50 anos, a artista formou-se inicialmente em letras e comunicação. Começou sua atividade criativa ao retornar do exílio, no Chile e na Colômbia, explorando simultaneamente a escultura, a pintura e o desenho.Essa visão pouco segmentada do fazer artístico continua sendo uma de suas marcas registradas. Aliando a pesquisa tridimensional a um trabalho de forte cunho gráfico e pictórico, Vera é acima de tudo uma artista experimental. Na exposição, ela mostra oito trabalhos mistos, que classifica como "objetos pictóricos". Em torno de enorme cubo branco criado especialmente no segundo andar da galeria, ela mostra uma série de composições de motivos geométricos, que cria a partir da sobreposição de colagens e pinturas.Dialética - Usando placas de acrílico transparente como suporte, ela propõe uma espécie de colagem espacial. Como resume Fajardo (que também foi seu professor), a artista trabalha com "uma dialética entre a materialidade e a construção, entre elementos geométricos e as sobreposições de camadas de superfícies transparentes ou translúcidas... produzindo estranhas velaturas". Vera Sandroni - De segunda a domingo, das 10h30 às 17h30; quarta, até 20h30. Espaço Virgílio. Rua Virgílio Carvalho Pinto, 426, tel. 3062-9446. Até 7/12. Abertura quarta-feira (15) às 18 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.