Artista usa mãos como tela para recriar figuras de animais

Guido Daniele, da Itália, exporá obra inusitada em Londres, no mês que vem.

Da BBC Brasil, BBC

30 de janeiro de 2008 | 10h25

A loja de departamentos Harrods, em Londres, exibe entre os dias 4 e 28 de fevereiro obras do artista italiano Guido Daniele, conhecido por usar mãos humanas como tela para pintar figuras de animais.     Foto: Sipa Press/Rex Features O italiano começou a desenvolver a técnica artística inusitada em 2001, depois que pintou a cabeça de um animal na mão de uma modelo, como parte de uma campanha publicitária para um banco.   Foto: Sipa Press/Rex Features Depois da primeira experiência, ele decidiu se especializar na nova técnica. "Eu pesquisei profundamente os traços de vários animais para reproduzi-los de forma mais fiel possível a partir das mãos de um ser humano", diz o artista.   Foto: Sipa Press/Rex Features    Durante a exposição Explore your Senses (Explore seus Sentidos, em tradução literal), o artista estará presente para fazer demonstrações de sua arte inovadora. Quase todos os animais, desde pássaros, répteis a mamíferos já foram recriados pelo artista, com exceção de poucos, como o rinoceronte. Segundo o artista, seria "impossível reproduzir o chifre do animal".    Foto: Sipa Press/Rex Features"Infelizmente a mão humana não tem a forma apropriada para reproduzir a cabeça de um rinoceronte", lamenta. O processo para recriar a "mão-animal" é delicado e trabalhoso, diz o artista. Para começar, ele usa um lápis para desenhar o esboço e depois inicia a pintura, usando tintas à base de água e de óleo. Guido Daniele conta que, dependendo do animal que está recriando, ele leva de duas a dez horas para completar o trabalho. O artista afirma que prefere usar mãos masculinas para dar realizar sua arte. "Eu prefiro mãos grandes e fortes". As das mulheres, diz ele, geralmente são muito "pequenas e delicadas". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.