Artista tem sólido trabalho público

Com uma determinação que nãocombina com a suavidade de sua aparência e a delicadeza sedutorade seu trabalho, Amélia Toledo vem conseguindo ser um dos poucosartistas brasileiros a desenvolver um sólido trabalho em artepública, deixando sua marca na paisagem urbana de cidades comoSão Paulo e Rio. Com mais de 50 anos de carreira e um dos nomesmais respeitados da arte brasileira da atualidade, Amélia já fezaté estação de metrô (em Copacabana, no Rio) e agora se preparapara tornar um pouco mais agradável a árida paisagem de concretode São Paulo.Mais uma vez sua matéria-prima é a pedra, elemento que vemexplorando há vários anos e que desde a infância encanta aartista. Aliás, é interessante lembrar também que ela estudouourivesaria na juventude. A questão cromática, que marca suapesquisa há décadas, continua bastante presente. Para Amélia,que atua no limite entre a matéria e a energia, os minérios têmtanto uma dimensão estética quanto terapêutica.Hátambém em seu trabalho um profundo respeito pelo material. Elaconversa com a pedra em vez de moldá-la à sua vontade. Talvezseja essa capacidade de tirar o melhor do que tem em mãos queexplique como Amélia conseguiu viver - e aprender - com boaparte da história da arte da segunda metade do século 20,mantendo-se acima de tudo fiel a si mesma.Esse respeito e esse desejo de diálogo também pode ser percebidono evidente chamado que sua obra representa para o grandepúblico. Ao contrário do que ocorre com muitos de seuscompanheiros de trajeto, a obra de Amélia não se restringe a umgrupo de iniciados. Ela fala a todos, desde a criança quebrincou encantada com as coloridas formas de plástico criadaspela artista na década de 70, até aquela que poderá descobrir asformas e cores apenas reveladas que garimpou para este trabalhodo Cebolinha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.