Artista recria morte de brasileiro em Londres

Mark McGowan tenta chamar atenção dos ingleses contra a violência

EFE

29 de novembro de 2008 | 14h35

O artista performático Mark McGowan recriou neste sábado, 29, em Londres a morte a tiros do brasileiro Jean-Charles de Menezes, em 22 de julho de 2005, por agentes da Polícia Metropolitana, que o confundiram com um terrorista suicida. Junto à entrada da estação de Stockwell, ao sul da cidade, o homicídio foi recriado com uma réplica de Menezes com a cabeça coberta por uma caixa de papelão contra a qual disparou com uma pistola (também de papelão), ates de enchê-la de ketchup. McGowan filmou a cena na parte de fora da estação, já que não é permitido o acesso à plataforma onde morreu o brasileiro. David C. West, co-diretor da Galeria Décima de Londres, patrocinador deste evento, fez as vezes de Menezes baleado e destacou a necessidade de atos como este para conscientizar a sociedade contra violência. De mudo testemunho, um pequeno altar com flores, fotos, recortes de jornais, uma imagem de Nossa Senhora de Aparecida, padroeira do Brasil, e uma pequena placa com as certidões de nascimento e óbito de Menezes: "7 de janeiro de 1978 - 22 de julho de 2005". "A polícia se crivou e logo mentiu e tratou de camuflar os erros, dizendo que era um imigrante ilegal, que havia saído correndo e que havia pulado as barreiras do metrô", perseguido pela polícia, "nada do que era certo", disse McGowan. O artista não quis interpretar a vítima nem nenhum dos policiais que dispararam sete vezes na cabeça. Ele simplesmente dirigiu seus atores improvisados, todos os quais tiveram o rosto coberto por caixas de papelão.

Tudo o que sabemos sobre:
performancemorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.