Artista quer acordo com a Bienal de SP

O artista plástico Ricardo Basbaum, que teve as bolas de futebol de sua instalação apreendidas pelo curador Alfons Hug, no domingo, na abertura da 25.ª Bienal de São Paulo, disse hoje que está tentando um acordo com a direção da mostra para que as bolas sejam restituídas à sua obra."É evidente que o trabalho só fica completo com a possibilidade da participação do público", disse Basbaum. "Eu quero negociar a volta das bolas, não me interessa uma posição de artista intransigente, adolescente", afirmou.Segundo ele, o confisco das bolas de futebol foi "uma surpresa", assim como "a voracidade com que o público chegou ao trabalho". Ele foi informado da apreensão no domingo à noite. Pediram-lhe uma reunião, que ele pensa em marcar para esta terça."O público não vai para o evento só com essa atitude contemplativa, do museu tradicional", ele diz. O artista pondera que essa postura não é uma novidade, é uma questão exaustivamente pensada por teóricos da arte. Para ele, uma exposição como a bienal deve abrigar todas as dimensões da relação do público com a arte, "selvagens ou não".Segundo Basbaum, ele não aceitará impor limites à relação do público com sua obra. "Não é meu papel estabelecer limites, dizer o modo como ele deve chutar a bola", explica. "O chute truculento, para extravasar energias, também é um dado do trabalho", acentua, acrescentando que a natureza de sua instalação - nomeada Transatravessamento - é promover uma espécie de captura do público pelo aspecto físico.Mas a ambição de Basbaum, como artista, é promover uma mudança na forma do público interagir com a obra. "Eu gostaria que entrassem lá como público e saíssem como espectadores", afirmou. "Não é só chutar a bola: quero que seja o local de alguma provocação".O artista assinalou também que houve uma falha técnica na instalação de sua obra. Por definição, deveriam estar em funcionamento 8 microcâmeras que transmitissem as imagens da ação do público para 2 monitores. No domingo, ele diz, o sistema não funcionou. "Ficou apenas o elemento do jogo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.