Artista mostra fotos feitas de tinta

Hildebrando de Castro nunca entrou em uma sala de aula de artes. Quando começou a fazer retratos utilizava o velho e bom método da cópia de modelos vivos. Seus voluntários eram senhores e senhoras sem muita disposição para estátua e o artista plástico, que está expondo na Casa Triângulo passou a fotografá-los e a usar a foto como imagem original. "Percebi que a fotografia apresentava uma relação entre luz e sombra mais interessante do que a imagem original", lembra ele que hoje faz retratos a óleo a partir dos registros fotográficos que ele mesmo realiza.A série é composta por 13 trabalhos desse tipo. São pinturas que trazem rostos, torsos e corpos fotografados pelo artista e depois reinterpretados por seus pincéis. As fotos, entretanto, não estão presentes. O pintor faz questão de deixar claro que o papel da fotografia é apenas de esboço. "Não sou fotógrafo, a imagem fotográfica serve apenas de matéria-prima para minha pintura."A primeira sensação do espectador é a de estar diante de fotografias desfocadas ou superampliadas no computador. "É como se revelasse o filme com a tinta a óleo", compara. Os trabalhos não passam por nenhum tipo de filtro eletrônico. São feitos somente com tinta, precisamente 12 tons de cinza que em alguns momentos são acrescidos de amarelos quase sumidos.Todos os retratos do artista plástico pernambucano são de amigos ou conhecidos. A atriz Bete Coelho é uma de suas personagens, retratada em um camarim do Teatro Oficina, durante a encenação de "Cacilda!", de José Celso Martinez Corrêa. Hildebrando de Castro vive em Nova York há cinco anos e não expõe no Brasil desde 1998. Sua última individual foi realizada na Galeria Camargo Vilaça.Hildebrando de Castro. De terça a sábado, das 11 às 19 horas. Casa Triângulo. Rua Bento Freitas, 33, tel. 220-5910. Até 31/5

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.