Artista chinesa acusa escola de arte de Paris de censura

Uma artista chinesa acusa a Escola Nacional Superior de Belas Artes (Ensba) de Paris de praticar censura ao remover de sua fachada uma obra dela que fazia alusão a um slogan do presidente da França, Nicolas Sarkozy.

REUTERS

12 Fevereiro 2010 | 18h20

As quatro faixas com os dizeres "Trabalhe", "Menos", "Ganhe" e "Mais" faziam referência à frase "Trabalhe mais para ganhar mais" usada pelo partido UMP na campanha presidencial de Sarkozy em 2007.

A oposição socialista frequentemente zomba do slogan, já que o desemprego vem aumentando.

Em nota, a Ensba disse que a obra "poderia constituir um ataque à neutralidade do serviço público."

A artista Siu-lan Ko qualificou o fato como "abominável." "Na China, falamos muito sobre censura, mas meu trabalho nunca foi censurado de modo tão brutal na China."

O Ministério da Cultura francês não quis comentar o caso.

(Reportagem de Elizabeth Pineau)

Mais conteúdo sobre:
ARTE CHINA CENSURA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.