Artista britânico vai expor em Marte

O polêmico artista britânico Damien Hirst apresentou hoje sua nova obra: uma pequena pintura, de círculos coloridos, do tamanho de um cartão, numa base de alumínio. Até aí, nada muito polêmico, para quem já exibiu pedaços de tubarões, ovelhas, vacas e porcos mergulhados em tanques de formol, esculturas feitas com armários de remédios e caixinhas com moscas que passam da fase larval à adulta para em seguida serem eletrocutadas. Desta vez, o que diferencia sua criação é o destino: ele vai enviar a pintura a Marte, a bordo de um foguete que deve ser lançado em maio do ano que vem, no caso "de os marcianos existirem e terem olhos para admirar".A peça vai integrar missão da agência espacial européia, que levará também um rastreador para pesquisar o planeta. E a pintura de Hirst terá também uma função utilitária. Vai substituir o cartão tradicional, feito com uma só cor, que é usado para calibrar os instrumentos após o pouso. Neste fim de semana, a peça poderá ser vista na London´s White Cube Gallery.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.