Artista britânico deixa mil telas nas ruas de Londres

Obras são para quem quiser levar, diz Adam Neatle; pinturas apareceram no eBay.

Da BBC Brasil, BBC

16 de novembro de 2008 | 16h09

Um artista britânico abandonou mil de suas telas - avaliadas em cerca de US$ 1,5 milhão - nas ruas de Londres, neste fim de semana, como um presente para o público.Pouco antes da meia-noite de sexta-feira, Adam Neate e seus assistentes deixaram os quadros em diversos pontos da capital britânica, Londres.O artista teve a idéia de abandonar as telas nas ruas, sob pontes, em parques públicos ou em ferrovias para que quem quisesse as levasse para a casa, ao se lembrar do começo difícil de sua carreira.O artista, de 31 anos, disse que quando começou a pintar ninguém queria comprar seu trabalho.Pessoas com quem dividia sua casa obrigavam-no a se desfazer de suas pinturas, que Neate levava a lojas de artigos de segunda mão ou simplesmente abandonava na rua.Mais tarde, o sucesso comercial chegou. "Minhas pinturas são vendidas por valores de US$ 1,5 mil a US$ 7,5 mil. Calculo então que estou dando de presente cerca de US$ 1,5 milhão", afirmou."Para alguns, os meus quadros não teriam nenhum valor, talvez joguem no lixo. Talvez uma pessoa goste deles pelo que são, sem saber nada sobre mim, e os preserve", disse o artista, que admite preferir a segunda opção.eBayNeate diz que seu projeto não representa um protesto contra o mercado de arte.Talvez por isso ele não tenha se importado com o fato de que, poucas horas depois de suas obras serem deixadas nas ruas, algumas apareceram no website de leilões eBay."Os seres humanos são humanos e todo mundo gosta de ganhar dinheiro", afirmou. "Eu não tenho nada contra as pessoas colocarem (as telas) no eBay - e se isso as ajuda para o Natal..." Algumas das telas oferecidas no site alcançaram lances de mais de US$ 1,5 mil, enquanto outras começaram com ofertas mais modestas, como US$ 1,50.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.