Divulgação
Divulgação

Artista brasileiro vai pintar mural na Olimpíada de 2012

Eduardo Kobra recebeu convite em Londres, onde finaliza mural para Roundhouse

Julia Baptista - Estadão.com.br,

29 Abril 2011 | 16h00

O muralista e artista plástico brasileiro Eduardo Kobra pintará um mural na Olimpíada de 2012, num espaço patrocinado por uma marca de artigos esportivos. O convite surgiu esta semana, em Londres, sede do evento, onde Kobra finaliza a pintura de um mural na Roundhouse, tradicional casa de shows no bairro Camden Town, um dos mais badalados da capital inglesa.

 

"A recepção das pessoas foi melhor do que eu imaginava", contou ele, em entrevista ao Estadão.com.br, por telefone. Ele começou a pintura em Camden no início de abril.

 

Este é o primeiro trabalho que o artista, conhecido no País pelos imensos painéis que pinta nas ruas, faz no exterior. A obra, que será finalizada no domingo, 1º, reproduz um vagão de trem sendo consertado e imagens circenses. Kobra explica que a temática do trabalho foi inspirada na origem do local, construído em 1847 como uma roundhouse, um edifício circular com uma estrada de ferro giratória, mas só foi utilizado para fins de transporte ferroviário por cerca de uma década. "Fiz um projeto bem na linha do Muro das Memórias, que desenvolvo em São Paulo, e eles aprovaram com entusiasmo", afirma.

 

No muro da Roundhouse já existiram outros trabalhos, que foram removidos a pedido de moradores. O primeiro foi do grafiteiro Banksy. "O trabalho de Banksy foi atacado por uma senhora que mora no bairro e não gostou da obra, destruindo-a com tinta branca. Pouco depois, vários artistas utilizaram o muro para protestar, desenhando uma onça e colocando frases contra o ataque", conta Eduardo Kobra.

 

Kobra é o autor do painel de mil metros quadrados que mostra rostos de pedestres e carros na Av. 23 de Maio, na zona sul de São Paulo, entre outras obras. No último aniversário de São Paulo, em 25 de janeiro, ele inaugurou dois novos painéis de 40m de altura e 600m de área nas laterais do prédio do Senac, na Av. Tiradentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.