Arte/Cidade muda a cara do Sesc Belenzinho

Começa amanhã, às 11 horas, a quarta edição do projeto Arte/Cidade, na Torre Leste do Sesc Belenzinho. Depois que a data inicial de estréia, prevista para o dia 2 de março, foi adiada, o público finalmente poderá conferir as 26 intervenções, projetadas por renomados artistas e arquitetos, nacionais e estrangeiros. Neste ano, o evento ostenta o título de Artecidadezonaleste. Como o próprio nome adianta, a região leste de São Paulo é a grande inspiradora dos participantes do projeto, além de servir de cenário para a instalação e o desenvolvimento de seus trabalhos. Entre eles, estão presentes nomes como Angelo Venosa, José Resende, Carlos Vergara, Antoni Muntadas e Dennis Adams. As intervenções estão distribuídas pela Torre Leste do Sesc Belenzinho e mais nove espaços urbanos, incluindo Largo da Concórdia, Parque D. Pedro II, Largo do Glicério, Estação do Brás, Pátio do Pari e Radial Leste. Novamente sob a curadoria de Nelson Brissac, o Artecidadezonaleste congrega abordagens estéticas não convencionais, que foram adaptadas às condições urbanas dos locais escolhidos. Neste exercício reflexivo que une arte e elementos da cidade grande, a zona leste mostrou-se uma multifacetária fonte para o projeto. Tudo na região apresenta-se em grandes proporções, a começar pela área e população total: 330 quilômetros quadrados e cerca de 4 milhões de habitantes. É marcado também pelo contraste social: os bairros de alto poder aquisitivo, como Tatuapé e Anália Franco, os redutos tipicamente italianos, como a Mooca, as antigas zonas industriais e bairros periféricos, como Cidade Tiradentes. A economia informal, uma das vertentes predominantes na região, foi tema da intervenção dos artistas Carlos Vergara, Antoni Muntadas e Maurício Dias. Em parceria com Walter Riedweg, Dias retratou o universo dos camelôs do Largo da Concórdia, considerada a maior concentração de ambulantes do País, num vídeo de "antipropaganda", em que os próprios camelôs vendem seus produtos. Muitos dos participantes do Artecidadezonaleste já tinham em mente há tempos o que desenvolveriam para esta edição, mas só passaram a viabilizar seus projetos por volta de três meses atrás. De acordo com o coordenador-geral do Arte/Cidade, Ary Perez, foi necessário enfrentar situações-limite e de segurança para tornar o sonho dos artistas realidade. "São questões que envolvem ações e reações", analisa Perez, também um dos artistas do elenco. Uma equipe de operários foi convocada para colocar a "mão na massa". Sob a orientação constante de dez engenheiros, o Arte/Cidade mobilizou 10 soldadores, de 15 a 20 carpinteiros, 30 pedreiros, 3 mestres de obras e 20 pessoas da equipe de produção, entre outros funcionários. Contou com patrocínio da Petrobrás e do Sesc São Paulo e consumiu uma verba de R$ 1,2 milhão. Com o fim do Artecidadezonaleste, no dia 30 de abril, a Torre Leste será demolida e, com ela, todas as obras que permanecerem em exposição em seus andares. Ary Perez faz um apelo: "Todos as intervenções vão desaparecer e são os melhores trabalhos de muitos artistas, como Carlos Fajardo e Nelson Felix."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.