Arte gráfica russa ocupa CCBB

Chega nesta quinta-feira ao Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo a mostra Gráfica Utópica - Arte Gráfica Russa de 1904 a 1942, um panorama das artes gráficas das primeiras décadas do século 20. A exposição, organizada pelo artista plástico e produtor cultural Evandro Salles, conta com 143 obras gráficas de vanguarda russa - cartazes que estabelecem relações com as artes visuais, a publicidade e, principalmente, a política. O destaque fica com artistas como Vladimir Maiakovski e Alexander Rodchenko.As obras fazem parte de uma fase crucial da história russa e, ao mesmo tempo, muito fértil no campo artístico. Em um primeiro momento podem ser observados trabalhos do período pré-revolucionário, depois da revolução de 1917 até chegar ao realismo socialista de Stalin. A exposição conta com cartazes de publicidade, políticos, e de divulgação artística (teatro, cinema e eventos), a maioria originais produzidos dos anos de 1904 a 1942, impressos em processo litográfico. Colagens de Rodchenko feitas para ilustrar o poema Isto, de Maiakovski, desembarcam pela primeira vez na América Latina.Todo esse material é proveniente do acervo de três museus: o antigo Museu da Revolução - atual Museu do Estado de História Contemporânea Russa, Museu Maiakoviski e do Museu do Cinema. "Na realidade, essa exposição começou há um ano, quando fui até Moscou pela primeira vez, apresentar fotografias sobre o Brasil, e pude conhecer o acervo do Museu de História Contemporânea", conta Salles. "Entrei em contato com os cartazes políticos, considerei válido trazer esse material para o Brasil, para que as pessoas conheçam um pouco mais a respeito da arte russa e a influência que exerceu sobre artistas brasileiros."Salles passou a negociar com os outros museus e conseguiu um conjunto de obras que permitem uma visão ampla das mudanças sofridas pela Rússia e, acima de tudo, reforça a idéia de uma arte engajada. "Posso dizer que essa época foi marcada pela efervescência artística em toda a Europa. Moscou foi um dos centros que vivenciou todo o processo da arte de vanguarda, uma arte marcada pela exuberância, pesquisas e experimentações, em um movimento que não separava a arte da vida", explica.Décadas significativas no campo artístico, em todas as suas expressões. "Todas as áreas têm exemplos de invenções, no caso das artes plásticas, especificamente, tivemos uma série de movimentos sucessivos e ousados, como a arte abstrata de Kandinsky até as experiências mais radicais do construtivismo", observa. Essas técnicas e conceitos foram utilizadas por artistas nos cartazes publicitários com a intenção democratizar e socializar a arte."Para eles, a arte era um instrumento de mudança e conscientização do homem, as peças publicitárias eram um meio de educar as massas - levavam a arte formal para a população, que compreendia aquela linguagem e assimilava as idéias políticas", diz. Outra característica dessa época é a troca de informações entre os talentos de diferentes áreas. "Posso dizer que o cinema possuía elementos das artes visuais e esta do teatro. Eles cruzavam linguagens, sem fazer uma arte panfletária, mas politicamente engajada." Os ideais políticos foram rechaçados com a revolução socialista. "A utopia da revolução enaltecia os ideais da arte moderna, um sonho que mobilizou artistas, que traduziam discussões fundamentais do socialismo em suas obras, como a questão da industrialização, um aspecto básico para os bolcheviques, que foi abandonado por Stalin", explica. A integração da mulher era outro tema freqüente.Destaques - Para o organizador, os artistas comunicavam-se pelos cartazes de boa qualidade artística. "Era o meio para estabelecer um diálogo com a sociedade e, agora, uma maneira que temos de observar as experiências sofisticadas." Na exposição, as pessoas terão oportunidade de compreender a amplitude do trabalho desses artistas, como Maiakovski, conhecido no Brasil como poeta e dramaturgo, mas seu raio de ação era mais amplo - atuava como desenhista, publicitário, performer e ator.Para Salles, alguns cartazes merecem atenção especial. "Uma ilustração convocando jovens para o alistamento no Exército Vermelho - o pôster: Você já se alistou? - foi a inspiração para o clássico do Tio Sam", comenta. Os pôsteres de cinema dos irmãos George e Wladimir Stemberg também merecem atenção."Imagens como essas estão no imaginário de muitos artistas brasileiros, faz parte da formação de movimentos brasileiros, podemos até fazer um paraleslimo entre eles e a arte concreta e neoconcreta", avalia. Salles afirma que a vanguarda russa interfere até hoje no processo de criação de muitos artistas.Gráfica Utópica - Arte Gráfica Russa de 1904 a1942 é uma exposição itinerante, que fica em cartaz até 17 de fevereiro. Depois, ruma para o CCBB do Rio.Serviço - Gráfica Utópica - Arte Gráfica Russa de 1904 a 1942. De terça a domingo, das 12 às 18h30. Centro Cultural Banco do Brasil. Avenida Álvares Penteado, 112, tel.: 3113-3651. Até 17/2. Abertura na quinta-feira, às 12 horas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.