Arte erótica muda perfil de galeria

De Di Cavalcanti a Caíto, passando por Ismael Nery, Flavio de Carvalho, Iberê Camargo, Darel, Leonilson e Nazaré Pacheco, representantes de quase todas as décadas deste século têm suas colaborações para a coleção de arte erótica nacional à mostra na Galeria Nara Roesler a partir dessa quinta para o público.Arte e Erotismo é o recorte de 37 obras selecionadas pelo curador Frederico Morais para a inauguração da nova fase da galeria, que passa a ter atividades didáticas (como o curso de arte contemporânea que já está sendo ministrado pelo curador e crítico de arte Nelson Aguilar), um café e um jornal, o Jornal da Galeria, em comemoração aos 25 anos de carreira de Nara, proprietária do espaço.Os dois andares da galeria - pintados de cores sugestivas como rosa e lilás - foram ocupados principalmente por obras bidimensionais de grandes nomes das artes brasileiras. Mas também esculturas, instalações, objetos, um vídeo (do grupo Carga e Descarga) e até uma peça de teatro comentam aspectos da sexualidade. No sábado, o público poderá assistir à encenação de O Diário Rosa de Lori Lamby, texto de Hilda Hilst interpretado por Iara Jamra, dirigido por Bete Coelho e com cenografia de Daniela Thomas.Como o curador explica no jornal (que funciona como catálogo da exposição), esse universo amplo, o do sexo, desenvolve-se em Arte e Erotismo por aquilo que existe "da sensualidade à pornografia"."A sensualidade é uma proposta sutil, ela sugere, alude mais que descreve ou revela", escreve o crítico. Nessa "categoria", pode ser encaixada a grande pintura vermelha de Tomie Ohtake, que pode ser vista antes mesmo de se entrar na galeria.Mas a maioria das criações, como os desenhos de Tunga e uma aquarela dos anos 60 de Darel Valença, trazem o que Morais descreve como "hipervisibilidade das coisas", no caso, as coisas da carne.Há também bem-humoradas paródias da transformação do sexo em objeto artístico ou de adoração, como os falos cobertos por pequenas rosinhas de fita de cetim, que lembram festas infantis ou celebrações religiosas do interior do País. Trata-se de Pai e Filho, instalação de Marcia X que também ocupa o primeiro plano de visão de quem entra no espaço expositivo. Arte e Erotismo. De segunda a sexta, das 10 às 19 horas; sábado, das 11 às 15 horas. Galeria Nara Roesler. Avenida Europa, 655, tel. 3063-2344. Até 14/10. Abertura quinta, às 21 horas

Agencia Estado,

13 de setembro de 2000 | 21h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.