Arte de ingleses e brasileiros defende natureza morta

A mostra Still Life - Natureza-Morta, que será inaugurada hoje à noite, com debate, na Galeria de Arte do Sesi, tem duas curadoras, uma no Brasil, outra na Inglaterra. Apesar da distância, elas montaram uma ampla exposição. No início, foi uma coincidência. A brasileira Katia Canton, uma das curadoras do Museu de Arte Contemporânea da USP (MAC), queria fazer uma exposição que explorasse o conceito do gênero natureza-morta na obra de artistas contemporâneos nacionais. E o mesmo estava fazendo, em Londres, Ann Gallagher, curadora internacional do British Council, com trabalhos de britânicos. A idéia de reunir as mostras em São Paulo foi de Stephen Rimmer e Malu Penna do British Council no Brasil depois que ficaram sabendo do projeto de Katia. Se antes a idéia era fazer duas mostras paralelas, as duas curadoras optaram por misturar brasileiros e britânicos. Entre e-mails e até de uma videoconferência, conceberam a mostra conjunta, que, até novembro, fica em cartaz em São Paulo. Depois, segue para o Museu de Arte Contemporânea de Niterói. Still Life - Natureza-Morta parte desse gênero artístico (o termo vem da palavra holandesa Stilleven, que surgiu no século 17 para designar uma pintura que representa objetos do cotidiano e que depois os franceses chamaram de Nature Morte) para mostrar como ele está presente na produção contemporânea. A mostra está dividida em módulos: Recipientes/Bodegónes; Comida; Flores; Objetos do Desejo; e Morte/Vanitas. Ao longo da exposição, as obras de brasileiros como Regina Silveira, Georgia Kyriakakis, Iran do Espírito Santo, Nina Moraes, Ernesto Neto, Shirley Paes Leme, Silvia Mecozzi, Paulo Climachauska, Laura Vinci, Cristina Rogozinski, Pazé, Sandra Tucci, Marcia Xavier, Beatriz Milhazes, Leda Catunda e Luiz Zerbini, entre outros, se misturam às obras dos ingleses como Patrick Caulfield, Jane Simpson, Anna Barribal, Mike Nelson e Simon Starling (estes dois últimos estarão na 26.ª Bienal de São Paulo).Still Life - Natureza-Morta - Galeria de Arte do Sesi. Avenida Paulista, 1.313, metrô Trianon-Masp, 3146-7434. das 10 às 20 horas (domingos até às 19 horas; fecha segunda). Grátis. Até 7/11. Abre hoje, às 19h30, para convidados

Agencia Estado,

02 de agosto de 2004 | 15h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.