Arte de Fayga Ostrower pode ganhar instituto

Gravadora, pintora, teórica da artee professora, Fayga Ostrower estava a um dia de completar 81anos quando morreu, dia 13 de setembro do ano passado. E comouma homenagem à artista - que nasceu na Polônia, mas radicou-seno Brasil em 1934, será dado amanhã, no Rio, o primeiropasso para que seja criado um instituto com seu nome. Ainiciativa é dos filhos de Fayga, Anna Leonor e Carl RobertOstrower, que reunirão, no apartamento que era da mãe, amigos daartista que formarão o conselho curatorial e a diretoria do novoinstituto.O projeto ainda está no começo. Não há nem proposta deum local, tampouco recursos financeiros para iniciar aempreitada. Como ressalta Anna Leonor, a reunião será umamaneira de constituir juridicamente o corpo do instituto. "Nãoqueremos criar o novo espaço sendo vistos como os filhos deFayga Ostrower, mas já começando de uma forma jurídica", diz.Para os irmãos, seria um desperdício deixar tão rico tesouro,todo o acervo de Fayga, guardado. Ainda mais porque em toda asua trajetória artística e intelectual, Fayga pregou que asensibilidade e a criatividade são características humanas, àsmãos de qualquer pessoa. Esforçou-se para divulgar a arte emtodos os estratos ministrando desde cursos para operários e emcentros comunitários até universidades e instituiçõesbrasileiras e estrangeiras.Entre os objetivos do novo instituto está o de ser ummuseu para a exposição pública e permanente do acervo de Fayga,além de também abrigar mostras de outros artistas. Como contaAnna Leonor, essa coleção reúne cerca de 300 obras de Fayga,trabalhos de outros artistas, fotografias, uma biblioteca bemvasta de livros de arte, materiais usados em suas aulas,matrizes de madeira e tecidos com impressos. Além disso, oespaço pretende oferecer cursos e seminários relativos à arte.Anna diz que sua mãe deixou uma prensa antiga que será utilizadanas aulas. "Imagino um espaço dinâmico."Por enquanto, o Instituto Fayga Ostrower é apenas umprojeto. Está certo que será construído no Rio, mas ainda faltamparceiros financeiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.