Arte biográfica carente de respostas

Mostra comprova que obra de Niki de Saint Phalle nada tem de alegre ou leve e reflete uma vida torturada e sombria

SHEILA LEIRNER , ESPECIAL PARA O ESTADO / PARIS , O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2014 | 02h06

Quem pensa conhecer a obra de Niki de Saint Phalle (1930- 2002) e se encanta com as cores e a alegria que animam as Nanas ou as esculturas realizadas com Jean Tinguely na famosa Fonte Stravinsky do Centro Pompidou, agora poderá mudar o seu ponto de vista. Na retrospectiva no Grand Palais, as 200 pinturas, colagens, desenhos, esculturas, filmes, maquetes e performances não deixam dúvidas: pouco há de esfuziante ou naïf neste belo trabalho de uma vida que também foi sombria, torturada, violenta.

A visita à exposição é mais o acompanhamento de uma narrativa interior da artista do que a exploração crítica ou histórica de suas conquistas plásticas. Por meio de uma cenografia excepcional, o percurso cronológico encena o "teatro" biográfico da artista, assim como a sua busca de paradigmas artísticos. Modelos que pudessem expressar as suas interrogações e, mais do que isso, servir como "curativos" para as suas feridas psíquicas.

Nos documentários e entrevistas - mesmo quando grita ou se exprime com veemência - é sempre o tom elegantemente mundano e indignado que sobressai. Herdeira de todos os paradoxos, a bem-nascida Catherine Marie-Agnès Fal de Saint Phalle, descendente de uma poderosa e aristocrática família franco-americana de banqueiros, teve a educação católica e a infância dourada irreparavelmente manchadas por uma mãe torturadora, estupro de seu pai aos 11 anos e suicídio de dois irmãos. Possuiu uma beleza extraordinária a ponto de ser modelo e capa de revistas como Life,Harper's Bazaar e Vogue, mas julgada "perigosa para si e para os outros" foi internada em hospital psiquiátrico, recebendo eletrochoques aos 23 anos. Descobriu a fúria sagrada (e terapêutica) da criação, porém desde cedo começou a sofrer de graves problemas pulmonares em consequência da inalação dos vapores e poeiras do material de trabalho, para morrer, aos 71 anos.

Cada obra é um depoimento que contém uma leitura psicanalítica. Algumas são surpreendentes, como o enorme painel King Kong (63), em que ela associa personagens políticos, um parto e o ataque premonitório às torres de uma grande cidade. Também impressionam os seus altares sacrílegos, nos quais morcegos e armas convivem com crucifixos. Suas generosas Nanas, mulheres gigantes, são "mães que devoram, mães que ninguém gostaria de ter", diz ela. No trabalho O Funeral do Pai, também inspirado pelo surrealismo, Saint Phalle enterra definitivamente aquele que a feriu e foi evocado em seu livro de memórias e em seu primeiro longa, Daddy.

Da mesma forma, sob o espírito dos anos 60 e 70, até o final, esta artista, leitora de Simone de Beauvoir, fez de cada obra, um "manifesto", a favor da revolta, fantasia, liberdade, arte, do sonho e dos direitos das mulheres.

Única mulher do "Novo Realismo", espécie de Frida Khalo francesa, ela pintou a violência quebrando os objetos do cotidiano, integrando-os aos quadros. Tudo que fez, inclusive Jardim do Tarô na Toscana, tinha o intuito de conquistar o mundo e um público cada vez maior.

Foi a heroína do pop aos happenings e seu engajamento político e social é total. As telas com o gesso que encobre latas de tinta colorida foram perfuradas por carabinas deixando a tinta "ensanguentar" a superfície. Os vídeos que documentam estas ações transmitem uma violência extrema, o prazer da subversão. Niki de Saint Phalle se opunha à visão convencional da arte, à religião, à sociedade patriarcal, à guerra fria, à guerra da Argélia e à legalização do porte de armas nos Estados Unidos.

Não que o seu trabalho possua a carga espiritual dos gigantes que ela admira e aos quais a sua obra faz referência, como Gaudí, Facteur Cheval, Pollock ou Dubuffet. É um trabalho terreno, ligado à matéria e à simbologia que decorre dela: corpo, vida, sexo, maternidade e morte. Por trás do possível prazer, a exemplo de Matisse - que também é erroneamente entendido como "alegre, leve, decorativo" -, há nesta obra autobiográfica vingativa e angustiada, sobretudo uma procura obsessiva e raivosa de respostas. Ao sair de sua retrospectiva, podemos novamente nos perguntar se existe grande arte sem sofrimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.