Arraes e seu bem-amado abrem o Cine PE

Foram mais de 400 inscrições - 356 de curtas e 70 de longas - e esse espectro amplo permitiu que Alfredo e Sandra Bertini, da Bertini Produções, fizessem a que se antecipa como a mais atraente seleção dos últimos anos do Cine PE - Festival do Recife. Se os filmes vão corresponder, é coisa que o público e os críticos só saberão a partir do dia 26, quando começará o evento. Dois dos filmes mais aguardados do ano serão exibidos fora de concurso, o primeiro já na primeira noite, O Bem-Amado, de Guel Arraes. O outro é Quincas Berro d"Água, de Sérgio Machado.

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2010 | 00h00

Ambos são adaptações - O Bem-Amado, da peça de Dias Gomes e Quincas, do romance de Jorge Amado. O primeiro integra a homenagem que o Cine PE 2010 presta ao recifense Guel Arraes. Um terceiro filme, o documentário Continuação, de Rodrigo Pinto, também será apresentado fora de concurso, na noite de encerramento, dia 2 de maio, também como homenagem a outro ilustre pernambucano, o compositor Lenine.

Os longas da mostra competitiva são seis, quatro ficções e dois documentários. Concorrerão aos Calungas deste ano dois filmes de diretores já consagrados com o prêmio. Laís Bodanzky, já vencedora com Bicho de Sete Cabeças, volta a concorrer no Recife com As Melhores Coisas do Mundo. Evaldo Mocarzel, vitorioso com Do Luto à Luta, disputa de novo o troféu com Cinema de Guerrilha. É um dos dois documentários - o outro é Sequestro, de Wolney Atalla. Completam a lista de ficções concorrentes - Léo e Bia, de Oswaldo Montenegro; O Homem Mau Dorme Bem, de Geraldo Moraes; e Não Se Pode Viver sem Amor, de Jorge Durán.

Considerado o grande festival do público do cinema brasileiro, Recife este ano inova. Com mais de 2 mil lugares sentados, o Cine-Teatro Guararapes, em Olinda, onde ocorriam as principais exibições, chegava a reunir 3 mil pessoas e alguns filmes não conseguiam fazer isso quando lançados nos cinemas. O Cine Guarapes - na verdade, um centro de convenções - continuará sediando a maioria das projeções, mas a abertura e o encerramento foram transferidos para o recém-reformado Cine São Luiz, no centro histórico do Recife.

Além de Guel Arraes, o festival vai prestar homenagens também a Tony Ramos e Júlia Lemmertz. A programação oficial terá início no sábado, dia 24, com a mostra competitiva de curtas e longas pernambucanos. Entre os curtas concorrentes em 35 mm - a competição principal do formato - está uma pequena obra-prima do cinema de Pernambuco, Recife Frio, de Kleber Mendonça Filho. A relação completa dos curtas concorrentes está no site www.cine-pe.com.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.