Arquiteto britânico vê o futuro em cidade ecológica no deserto

Imagine uma cidade de 50 mil habitantessem carros, sem gás carbônico, sem lixo, uma cidade ecológicado futuro. Agora imagine essa cidade no deserto do Golfo, ondeas temperaturas no verão podem chegar a 50 graus ear-condicionado 24 horas é um estilo de vida. O arquiteto britânico Norman Foster idealizou Masdar City,projeto com o qual o governo de Abu Dhabi espera diminuir suasemissões de carbono. "Estamos envolvidos em diversos projetos em Abu Dhabi, eeste, sem dúvida, é o mais idealista. É provavelmente o projetomais idealista hoje no mundo, e o mais relevante em qualquerconferência, de Kioto a Davos", Foster disse à Reuters. "Isto não tem a ver com moda, tem a ver com sobrevivência." O veloz crescimento econômico dos Emirados Árabes Unidos ede países vizinhos do Golfo Árabe impulsionado pelos recordesnos preços do petróleo, ocorre num momento de crescentestemores internacionais sobre as mudanças climáticas. Os Emirados Árabes estão entre os maiores emissores percapita de gases do efeito estufa, mas a capital, Abu Dhabi,anunciou na segunda-feira que investirá 15 bilhões de dólaresno desenvolvimento de energias limpas e renováveis, incluindoMasdar City, que deve ser construída em sete fases, entre 2008e 2018. Fazer isso no clima desértico não é tarefa fácil, e oformidável Foster, cuja empresa está por traz de diversosprojetos famosos, da Millennium Bridge de Londres àreconstrução do Reichstag em Berlim, diz que ter voltado àsraízes para projetar a cidade ecológica de Abu Dhabi. "Esta é uma resposta específica para um lugar onde há maisexigências climáticas quando se trata de zerar as emissões decarbono. É mais difícil no deserto no que em climas temperados.Seria mais fácil no Mediterrâneo ou no norte da Europa," eledisse em entrevista telefônica. "Mas acho que a questão é trabalhar com a natureza, com oselementos, e aprender com os modelos tradicionais." Masdar será uma cidade murada, no estilo tradicional árabe.Com a proibição aos carros, será uma cidade compacta, com ruasestreitas e à sombra, agradáveis para caminhar, não muitodiferente do modo como os espaços urbanos eram organizadostradicionalmente para abrigar consumidores e pedestres do soldo Oriente Médio. Ela também terá um sistema de transporte ecológico,incluindo veículos sobre trilhos, incomuns nessa parte do mundoonde o transporte público é mínimo e as pessoas dependem decarros. "Veja Veneza. Você não se sente privado de nada em Venezaporque não há carros. É bem o contrário. A cidade é tãoatraente que corre o risco de virar popular demais", disseFoster. "Estamos falando de tecnologia para fazer mais commenos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.