Arqueólogo egípcio defende ruptura com o museu do Louvre

Controvérsia começou há oito meses, quando museu parisiense se recusou a devolver pedaços de uma tumba

AE-AP,

08 de outubro de 2009 | 16h30

A decisão do Egito de romper os laços com o museu do Louvre não teve ligação com o fato de o ministro da Cultura do país não ter sido escolhido para o cargo de secretário-geral da Unesco. A afirmação foi feita por Zahi Hawass, integrante do Conselho Supremo de Antiguidades. Segundo ele, a controvérsia com o Louvre começou oito meses atrás, quando o museu parisiense se recusou a devolver pedaços pintados de uma tumba de 3.200 anos retirados das proximidades de um antigo templo da cidade de Luxor.

 

Veja também:

link Egito rompe vínculo com Louvre, acusando museu por roubo 

 

Desde que assumiu o cargo, Hawass tem feito da recuperação de peças roubadas uma prioridade.

 

Na quarta-feira, ele anunciou que seu conselho não poderia mais trabalhar com o Louvre, ameaçando o trabalho do museu parisiense no Egito. As escavações que o museu realizava na necrópole de Saqqara, perto do Cairo, foram imediatamente suspensas e a palestra de uma ex-curadora do museu foi cancelada.

 

Nesta quinta-feira, Hawass divulgou um comunicado afirmando que a ruptura com o Louvre não tem relação com o fato de o ministro da cultura Farouk Hosny ter pedido a disputa para o principal cargo da agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para cultura.

Tudo o que sabemos sobre:
LouvreFrançaEgito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.