Efe
Efe

Argentina recebe mostra de artistas brasileiros com celulares

'Geografias Celulares' também apresentará uma série de oficinas, concursos, seminários e conferências

Efe,

16 de outubro de 2009 | 16h12

Buenos Aires recebe a partir desta sexta-feira, 16, a mostra "Geografias celulares", uma exposição de obras de artistas e pesquisadores brasileiros feitas com meios portáteis e tecnologias sem fio, uma arte inédita na Argentina.

 

"Geografias Celulares" também uma série de oficinas, concursos, seminários e conferências a fim de criar "redes de trabalho que incentivem a discussão", informaram a Efe seus organizadores.

 

O público poderá conhecer tanto os recursos artísticos das tecnologias portáteis como interagir com elas, apontou Alejandría D'Elia, representante da Fundação Telefónica, que auspicia a mostra junto com a empresa de telefones celulares finlandesa Nokia e o apoio do SESC Brasil.

 

"No Brasil os artistas são também pesquisadores, mas na Argentina falha o estímulo para a produção e pesquisa", comentou em referência à ausência de artistas argentinos nesta exposição.

 

D'Elia, que insistiu em que "não há instituições públicas que financiem o desenvolvimento deste tipo de arte" na Argentina, disse que um dos objetivos da iniciativa é "promover o debate" sobre "a cultura em rede".

 

Os visitantes poderão participar das obras por meio de ligações ou envio de mensagens de texto, com o qual terão a oportunidade de "conhecer através da experiência que as novas tecnologias também são cultura", comentou.

 

Neste sentido, explicou que se poderá recriar o som de um instrumento musical por meio de uma ligação ou ver um vídeo de viagem através de áudio e imagens distribuídas em quatro aparelhos, entre outras atividades que se poderão realizar na exposição.

 

"Mobile Crash", de Lucas Bambozzi; "Suíte 4 Mobile Tags", de Giselle Beiguelman e Mauricio Fleury; "Territórios Complexos", de Rachel Rosalen e Rafael Marchetti, e "Four Mobiles", de Nacho Duran, protagonizam esta exposição, que acontece na sede da Fundação Telefónica até 12 de dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.