Imagem João Wady Cury
Colunista
João Wady Cury
Palco, plateia e coxia
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Arcênico: Volta, Mauro Rasi!

Autor e diretor deixou marca profunda com suas peças no público

João Wady Cury, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2017 | 02h00

Volta, Mauro Rasi! O autor e diretor Mauro Rasi (1949-2003) deixou marca profunda com suas peças no público e em várias gerações de artistas pela forma de fazer comédia, do besteirol ao humor mais sofisticado. Agora, duas leituras de peças de Rasi, dia 24, na Casa do Saber, prometem trazer de volta a verve do autor: a primeira será Cerimônia do Adeus, seguida de A Dama do Cerrado, ambas com direção de Sergio Ferrara. O passo é maior: o diretor vem estudando as obras de Rasi e começa a negociar a liberação dos direitos de A Cerimônia do Adeus. Já teriam sido convidados e toparam estrelar a montagem no primeiro semestre de 2018 as atrizes Maria Fernanda Candido e Eliane Giardini e o ator Wolf Maya.

TUSP URGENTE

O Teatro da Universidade de São Paulo, o Tusp, no prédio histórico da Maria Antonia, acaba de ser interditado e a programação suspensa. O rompimento de um cano da Sabesp embaixo do palco levou a um grande vazamento e a água inundou o local, deformando o piso. Agora, engenheiros avaliam a extensão dos danos. Mas é, sem dúvida, uma situação desoladora. Sempre bom lembrar que o Tusp tem importância histórica na cena paulistana e dentre seus diretores artísticos passaram nomes como Flávio Império e Décio de Almeida Prado.

MAIS CAVALOS 

A última semana da temporada da peça Cavalos, dirigida por Lucienne Guedes, tem novidades. Nas sessões de terça e quarta da semana que vem três novos convidados participarão da peça para intervir na trama em que atrizes e atores se preparam para realizar teste para um espetáculo. A proposta é ter, a cada dia, um diretor convidado para integrar o elenco e conduzi-lo à sua maneira, ou seja, a cada dia a peça é diferente. Na semana que vem, será a vez do diretor Gabriel Miziara, que participará na sessão de terça, às 16h, e Bete Dorgam, às 20h. Já na quarta é a vez de Danilo Grangheia, às 20h. A peça fica até semana que vem no Centro Cultural São Paulo.

DÊ-ME A LUZ!

Uma bamba da iluminação teatral está prestes a democratizar seus conhecimentos em um curso imperdível para quem curte o traçado. Aline Santini, nesta Oficina de Iluminação Cênica, falará todas as terças, de 20/6 a 25/7, no Sesc Consolação. Tratará da arte de iluminar palcos, mas começa por panorama histórico sobre o uso da luz hoje, com os recursos tecnológicos existentes. Mais informações no site do Centro de Formação e Pesquisa da entidade.

AVE, CORIOLANO

Mais um Shakespeare à vista, talvez para que possamos entender as fragilidades e os conflitos deste tempo. Agora, é a vez de Coriolano (foto), texto adaptado e dirigido por Márcio Boaro, da companhia Ocamorana. A história do general romano Caio Márcio, o Coriolano, é levada ao palco para comemorar os 20 anos de existência da trupe. Estreia marcada para 30 de junho no teatro Arthur Azevedo.

BROOK ON THE BOOK

Acaba de ser lançado no Brasil o livro de Peter Brook, de 2013, Reflexões Sobre Shakespeare. Mas parece que para o incrível Brook só isso não basta. Aos 92 anos, deve estar pulando na cama e cantando de um só fôlego: não para, não para, não para. Tanto é que vem com novidades em agosto. O mestre acaba de escrever mais um volume sobre teatro, Tip if The Tongue: reflections on language and meaning, outra obra que mira o bardo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.