Reprodução Leonardo Fernandes
Reprodução Leonardo Fernandes
Imagem João Wady Cury
Colunista
João Wady Cury
Palco, plateia e coxia
Conteúdo Exclusivo para Assinante

ArCênico: O processo como chave da cena

O VII Simpósio Internacional Reflexões Cênicas Contemporâneas promete incendiar o interior de São Paulo; confira outros destaques do mundo do teatro

João Wady Cury, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2017 | 02h00

Semana passada o dramaturgo Sergio Roveri digitou as últimas palavras de sua nova peça, Neblina. É uma encomenda do ator mineiro Leonardo Fernandes, que passou por São Paulo e Rio com Cachorro Enterrado Vivo. A construção do texto foi um parto diferente: a cada cena escrita, Roveri enviava o texto para o ator, que a lia e desenhava de volta uma provocação. Artística, é óbvio. Seguiu-se assim por dois meses até a semana passada. “Nunca fiz algo parecido e adorei”, diz Roveri. Leonardo, do seu lado, já convive com seu personagem em uma sala de ensaio e o vem compondo lentamente a cada trecho que lê. Algo de perder o fôlego. A peça estreia no primeiro semestre de 2018, possivelmente em São Paulo.

FOGO EM CAMPINAS

O VII Simpósio Internacional Reflexões Cênicas Contemporâneas promete incendiar a cidade do interior paulista, de 20 a 23 de fevereiro do ano que vem - mas que já está com inscrições abertas na internet (lumeteatro.com.br). A organização é do Lume Teatro, grupo ligado à Unicamp e focado na arte clown, que convidou profissionais da área e estudiosos das artes cênicas para debater assuntos como os limites da dramaturgia atual e como expandi-los. Na mesa,as dramaturgos Michelle Ferreira (Brasil) e Patrícia Cardona (México)?e o dramaturgo brasileiro Newton Moreno.

FOGO EM MADRI 

O Lume Teatro, criado pelo ator Luís Otávio Burnier (1956-1995) em 1985, não dá ponto sem nó. Vai levar todo o seu fogo clown para a capital espanhola neste fim de semana, em duas apresentações no sábado e domingo, sempre às 20:30, na Sala El Montacargas. Cabaré efêmero é a montagem da companhia que será apresentada por um dos diretores do Lume, Ricardo Puccetti. Ele é o criador do espetáculo e também atua na pele do palhaço Teotônio - que durante 50 minutos ininterruptos faz improvisações para envolver o público em seu mundo. Tudo a ver com o estilo do grupo espanhol El Montacargas, dono do teatro, que também utiliza-se de técnicas slownescas em suas montagens.

TURBINANDO A CENA

Aliás, o modelo de gestão do grupo El Montacargas é dos mais curiosos e poderia explicar a solidez da sala de espetáculos e da própria companhia, que nasceu há 30 anos exatamente. Desde a criação centra seu trabalho em pequenos e médios formatos cênicos. E o melhor: o espectador pode se tornar sócio da sala pagando 80 euros anuais para ter em troca benefícios como um ingresso grátis para cada peça daquele ano e desconto para o ingresso do acompanhante. Não para por aí. Há outros benefícios como desconto no bar do teatro, na locação da sala de ensaios e em ingressos de peças apresentadas em teatros associados ao Montacargas. Fidelização e comprimisso, é um modelo a se pensar.

3 PERGUNTAS PARA

Cacá Rosset, ator e diretor, é fã de pesquisas na área médica.

1. O que é ser ator?

É poder envelhecer e continuar imaturo. Um ator medíocre sabe fingir um orgasmo. Um ator genial sabe fingir uma ereção.

2. Com qual personagem de teatro você é parecido?

Com todos os bufões de William Shakespeare. Sou um bufão profissional!

3. Frase predileta?

"O Inferno são os Outros", de Jean Paul Sartre, em Entre Quatro Paredes (Huis Clos).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.