Imagem João Wady Cury
Colunista
João Wady Cury
Palco, plateia e coxia
Conteúdo Exclusivo para Assinante

ArCênico: Cemitério tem hoje teatro pocket

Veja as últimas notícias do mundo do teatro

João Wady Cury, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2017 | 02h00

O cemitério em questão é o teatro, que fique claro, Cemitério de Automóveis, na rua Frei Caneca. É ali que volta ao cartaz, a partir das 21h de hoje, mais uma edição do Quinta em Cena, com curadoria de Lucas Mayor. Quem abre os trabalhos é o diretor e dramaturgo Pedro Machado Granato, que coloca no palco minúsculo do Cemitério 11 atores para a cena Demissão. Vem seguida de Gatsby, do próprio Mayor, com Maria Manoella e Ernani Sanchez, dirigidos por Diego Moschkovich. E a noite fecha com uma cena da dramaturga Carla Kinzo, Super 8, com Fernanda Viacava e Rodrigo Sanches, dirigidos por Cristiano Burlan. Na quinta da próxima semana terá repeteco.

VAMP TEM DATA MARCADA

Preparem seus pescocinhos alvos e tenros. O musical Vamp, protagonizada por Ney Latorraca e Claudia Ohana, chega do Rio para uma temporada no Teatro Sérgio Cardoso em setembro. Fica em cartaz até o fim do ano. O musical é inspirado na novela global homônima, de 1991, e deve rechear o teatrão de balzaquianos e balzaquianas que, à época da novela, eram meras criancinhas.

GUARANI É PAULISTANO

E hoje estreia a peça Nhanhomoirumba: Um Panfleto-Esquiva, com os alunos da 67.ª turma da Escola de Arte Dramática (EAD), da Universidade de São Paulo. É inspirada em textos de Ailton Krenak, Eduardo Viveiros de Castro e Davi Kopenawa, entre outros, e parte também da convivência do grupo com os índios guaranis da zona Sul de São Paulo (foto acima). Fica em cartaz de hoje até o dia 23 de julho, de quinta-feira a sábado às 21h, domingo às 20h, na Sala Alfredo Mesquita, no Prédio da Reitoria. A direção é de José Fernando Peixoto de Azevedo. Nestes tempos de política sombria vale saber. Atrizes e atores pediram para a liderança guarani traduzir para o guarani a palavra “aliança”. Resultado: é aquilo que eu e você decidimos fazer juntos, e fazemos, como amigos. Sim, todos entendemos bem: amigos.

SANTOS NO TOPO

O balneário paulista tem tradição teatral, desde antes do tempo de Plínio Marcos e Sérgio Mamberti. E a partir deste sábado recebe a Mostra Performatus#2, no Sesc Santos, entre 1.º e 9 de julho. São produções de oito países em 41 apresentações, com a participação de artistas como Carlos Martiel (Cuba) e Miguel Bonneville (Portugal). Vale o passeio.

TEMPOS DE FARTURA CRIATIVA NA ESCOLA 

O filme 13 Andares é resultado de um curso ministrado por Eliana Fonseca - Atuação para Câmera - para os alunos com estreia ainda este ano. Para o diretor da EAD, José Fernando Peixoto de Azevedo, o fato de a escola proporcionar para os alunos a possibilidade de atuar em um filme é muito positivo e ainda ajuda crianças carentes.

3 PERGUNTAS PARA - Sabrina Greve - Atriz sonhava ser bailarina; hoje é mestranda na USP

1. Como gostaria de morrer no palco?

Quando entro em cena, eu já morri.

2. Frase arrebatadora.

“Sabemos o que somos, mas não o que poderemos vir a ser.” Ofélia, em Hamlet, Ato IV, Cena 5, de William Shakespeare.

3. Uma situação inusitada que viveu em cena.

Sempre que esqueço o texto. São segundos que viram uma eternidade, como se fosse um sonho. E o pânico dos colegas durante a cena.

Mais conteúdo sobre:
Teatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.