Araquém Alcântara expõe imagens da Amazônia

Depois de 12 anos percorrendo a Amazônia, e vale dizer somente a "Amazônia brasileira", o fotógrafo Araquém Alcântara não poderia ter reunido apenas um material "de ocasião", expressão usada por ele e que quer dizer um registro fragmentado. A partir de hoje, 20 imagens de toda sua documentação sobre a região serão mostradas na exposição Amazônia, A Floresta do Mundo, parte do evento Amazônia br. 2002, em cartaz no Sesc Pompéia.São todas fotografias em grande formato, coloridas, reunidas para mostrar a riqueza de um lugar onde "tudo é superlativo". Animais em extinção, rios, seringueiros, índios e trabalhadores da floresta são alguns dos temas dessa mostra que, já na entrada, traz a imagem de uma bromélia fotografada no topo do Monte Roraima.Essa exposição é amostragem rápida de todo o trabalho realizado por Alcântara e que vai render um livro de 360 páginas, previsto para ser lançado no ano que vem pela Editora Metalivros. Dividido em três partes, a primeira terá fotografias coloridas com o tema terra. A segunda, o homem que trabalha na região e a terceira, uma mistura de imagens coloridas e em preto-e-branco sobre o futuro da região, ou melhor, para "dar voz às ONGs e a outras iniciativas" que trabalham para melhorar a região. Por exemplo, a reserva coordenada por José Márcio Ayres, na região do Rio Solimões. Lá, essa sociedade civil protege e dá assistência aos ribeirinhos do local.Por meio de várias expedições, por todos esses anos de trabalho, o fotógrafo é reconhecido com seis prêmios internacionais e 52 nacionais. "Dediquei minha vida e sou um pioneiro nesse trabalho de se criar uma memória geográfica, de identificar o Brasil primeiro para os brasileiros", diz. É por isso que não considera seu trabalho como de "ocasião". Descreve-o como "a saga de um andarilho".Pico da Neblina, montes do Aracá e de Roraima, alguns pontos dessa Amazônia onde tudo é rio. "Digo que sigo as veias da Amazônia, identifico-a por suas veias." Mas também ressalta que essa é uma região com problemas, como a devastação, o extermínio, trabalhadores jogados à própria sorte, crianças morrendo por causa de doenças como a malária.Essa exposição trata de mostrar a beleza da região, maneira de mostrar um pedaço da "pátria da água e do verde". Mas não deixa de ser uma chamada para todos os seus problemas, uma iniciativa que ficará completa com o lançamento do livro, este, um ensaio sobre a região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.