''Aquilo parecia uma corrida de cavalo''

Como foi a experiência de subir no palco do Teatro Paramount, que era um verdadeiro barril de pólvora naquela noite?

Lucas Nóbile, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2010 | 00h00

Eu estava muito nervoso de ter que entrar depois de todo o drama que aconteceu com o Sérgio Ricardo. Eu achei um erro ele ter mudado o arranjo. Ele apresentou a música antes e não foi bem aceita. Quando o Blota Júnior anunciou, o Sérgio já entrou no palco debaixo de vaias.

E o que você conversava com a Marília Medalha no camarim?

Eu disse pra ela: ou a gente arrebenta ou se dá mal. Aquilo parecia uma corrida de cavalo e nós éramos os cavalos. Você entrava para ser julgado. As pessoas paravam na rua para cobrar e dizer que apoiavam ou não a música.

Por que aquela noite ficou tão marcada na música nacional?

O jeito que as coisas foram colocadas pela imprensa tornaram o festival muito chamativo. Falavam do tropicalismo, das guitarras elétricas, do Gil, do Caetano, como se eles fossem os novos. E de mim e do Chico como se a gente fosse os velhos. Uma besteira, eu adoro Domingo no Parque. O Caetano tem muitas músicas melhores que Alegria, Alegria, mas era o momento. Ponteio foi superexposta, mas vou cantá-la até morrer em shows. Um festival como aquele não faria mais sentido hoje.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.