Apostas de Hollywood estrelam calendário da Pirelli

Os acontecimentos foram marcados por uma curiosa casualidade. No início do ano, os executivos da Pirelli decidiram qual deveria ser a linha do tradicional calendário para 2002: o tema seria Hollywood e as modelos, belas atrizes com carreira em ascensão. E, ao contrário dos anos anteriores (a Pirelli orgulha-se de lançar seu calendário desde 1964 quase ininterruptamente), não haveria nudez. Só não eram esperados os acontecimentos mundiais ? os ataques terroristas de setembro e o conseqüente fluxo de rigidez moral fizeram com que o lançamento internacional, na semana passada, no elegante Banqueting House, em Londres, fosse marcado por uma atualidade inesperada.O desejo da empresa era que seu calendário fosse marcado por uma sutileza e uma transparente vulnerabilidade. O foco das atenções, no entanto, esteve em uma modelo em especial, cujas atribuições são o belo rosto e o sobrenome famoso: Lauren Bush, sobrinha do atual presidente americano, George W. Bush. Além do já tradicional rigoroso esquema de segurança (revista detalhada na porta de entrada e um punhado de seguranças espalhados em pontos estratégicos), Lauren era acompanhada por dois homens, que examinavam atentamente todos que dela se aproximavam. "Já estou acostumada", disse a modelo, despreocupada. "A segurança já me acompanhava desde que meu tio foi eleito presidente e foi reforçada depois de 11 de setembro." Os belos olhos faiscantes de Lauren Bush são o destaque da capa do calendário de 2002 da Pirelli, um privilégio significativo não apenas por sua beleza como pelo fato de ser atriz em uma indústria cinematográfica cujo rumo no próximo ano também revela uma transparente vulnerabilidade, a partir da guerra contra o terrorismo comandada por George W. Bush. Sua presença significa ainda uma declarada dedicação de afeto aos Estados Unidos, conforme um comunicado da empresa. Apesar do excesso de segurança, os fatos da política mundial foram evitados no lançamento, em Londres. Além de Lauren Bush, estava presente o fotógrafo responsável pelas imagens do calendário, o alemão Peter Lindbergh, que preferiu contar como foi o trabalho fotográfico, realizado durante seis dias, em maio, nos estúdios da Paramount, em Los Angeles. "Foi um trabalho difícil, pois havia inúmeras imagens magníficas", comentou Lindbergh, que consumiu 360 rolos de filme. "É possível montar diversos calendários, tamanha a quantidade de belas fotos."Lindbergh sentiu-se motivado com o trabalho, principalmente por não registrar imagens nuas. "Já não são mais sexy, tampouco tão atraentes; preferimos algo que fosse mais artístico e mais surpreendente." O argumento segue o raciocínio dos executivos da Pirelli, que oferecem seu calendário para os principais clientes. "Queríamos um trabalho delicado, que provocasse emoções", justificou Francesco Gori, superintendente mundial da empresa. "Temos de oferecer sempre algo diferente, superando o anterior." A missão não era fácil ? nos anos anteriores, o comando das lentes esteve com Annie Leibovitz, que fez suas fotos em Nova York para o calendário de 2000, e Mario Testino, que foi até Nápoles, na Itália, para fotografar um time de modelos encabeçado pela brasileira Gisele Bünchen para o calendário deste ano. Decidido o tema (atrizes em ascensão), começou o processo de seleção, que levou vários meses e foi coordenado por uma equipe de produtores. O trabalho contou com o apoio de jornalistas da revista Vanity Fair. Somente Lauren Bush não participou da escolha, pois foi convidada para posar para a capa. Ao mesmo tempo, o nome de Peter Lindbergh foi o escolhido para fotografar as modelos, graças à sua experiência no ramo publicitário ? nos últimos dez anos, foi o responsável pela campanha de lançamento de diversos estilistas, como Giorgio Armani, Prada, Donna Karan, Calvin Klein, Jil Sander, Hugo Boss e Gianfranco Ferre. Quando o time de atrizes foi escolhido, Lindbergh começou o trabalho de criação, imaginando qual seria a melhor forma de apresentar o rosto das modelos. O fotógrafo decidiu criar uma atmosfera de bastidores, em que as mulheres posaram em um ambiente de estúdio cinematográfico. Não há, inclusive, uma preocupação em esconder as pessoas que trabalham na produção. "O clima é propositalmente falso, pois recria o ambiente mágico do cinema", comenta Francesco Gori. Dois anos ? Assim, depois da foto de Lauren Bush, o calendário se abre para uma série de atrizes que, segundo Lindbergh, serão mundialmente famosas em pelo menos dois anos. Acompanhando o mês de janeiro, surge Erika Christensen que, entre outros papéis, representou a filha viciada em drogas de Michael Douglas em Traffic, de Steven Soderbergh. Seus próximos trabalhos serão Home Room e Swinfan85. Fevereiro é o mês de Amy Smart, que espera decolar sua carreira com o filme Rat Race, comédia dirigida por Jerry Zucker e que será estrelada por Cuba Gooding Jr., Whoopi Goldberg e John Cleese. Por enquanto, seu rosto pode ser observado em alguns episódios da série Felicity, exibida pela Sony. Virando a página, surge Bridget Moynahan, no mês de março. Também ela espera decolar quando estrear a comédia romântica Serendipity, em que contracena com John Cusack e Kate Beckinsale.Pela sua participação em Pearl Harbour, a atriz James King foi outra das selecionadas, cuja foto acompanha o mês de abril. Seu próximo trabalho será Lonestar State of Mind, em que divide a cena com Joshua Jackson. Já a modelo de maio, Shannyn Sossamon, teve uma curiosa iniciação cinematográfica: ela foi descoberta por um diretor de elenco durante o aniversário de uma amiga famosa, Gwyneth Paltrow, ganhadora do Oscar de melhor atriz por Shakespeare Apaixonado. Junho é o mês de Selma Blair, que pôde ser vista no filme Histórias Verdadeiras, de Todd Solondz, exibido durante a Mostra BR de Cinema, no mês passado. Seu nome vem esquentando entre as grandes produções e deverá ser visto novamente em Legalmente Loira, longa que participou com Reese Witherspoon. Neta ? Em julho, surge outro sobrenome famoso, depois de Lauren Bush: Kiera Chaplin, neta de Charlie. Nascida na Irlanda e educada na Suíça, ela começou sua carreira ao se mudar para Paris, onde posou para a Vogue italiana e Harper?s Bazaar inglesa. Kiera é um dos nomes mais certos para conquistar o sucesso em dois anos, apregoado por Lindbergh: sua estréia cinematográfica ocorre no filme The Year that Trembled, que deverá estrear no início do ano, nos Estados Unidos, além de figurar no elenco da versão de A Importância de Ser Prudente, filme inspirado na peça de Oscar Wilde, estrelado por Rupert Everett. A atriz Brittany Murphy (Garota, Interrompida) é a estrela de agosto e será seguida por Monet Mazur que, além de atriz (Austin Powers), também lidera uma banda chamada Nancy Raygun. Outubro é o mês de Rachael Leigh Cook, que deverá participar de uma série de comédias, como 29 Palms. Quase no final do ano, surge um nome que já conquistou reconhecimento mundial: Mena Suvari, estrela de Beleza Americana e American Pie, é a atriz de novembro. O calendário se encerra com Julia Stiles, que pôde ser vista na recente versão de Othelo, estrelada por Ethan Hawke. Segundo Francesco Gori, a Pirelli não pretende inovar e, no futuro, criar calendários com modelos masculinos. "O plano é manter a tradição", justifica ele, lembrando que as brasileiras terão mais espaço. "São mulheres com uma beleza única e logo não teremos apenas Gisele como grande nome." Os interessados em conseguir mais informações sobre o calendário, além de visualizar as fotos, devem acessar o site internacional da empresa: www.pirelli.com. O repórter viajou a convite da Pirelli

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.