Após sucesso em SP, Lollapalooza terá edição em 2013

Mesclando notáveis shows de invenção (TV on the Radio) e diversão (Foster the People), de radicalidade política (Racionais e Gogol Bordello) e descompromisso garageiro (Cage the Elephant, Band of Horses), o Lollapalooza Festival foi aprovado com louvor em seu batismo brasileiro. "Lollapalooza São Paulo foi um arraso!", entusiasmou-se o guitarrista Dave Navarro, do grupo Jane?s Addiction. "O Lollapalooza em Chicago é legal, mas eu prefiro aqui", afirmou Eugene Hutz, vocalista do Gogol Bordello.

AE, Agência Estado

10 de abril de 2012 | 10h19

Não foi tanto pelo sucesso comercial (135 mil pessoas no Jockey Club, cerca de 15 milhões vendo pela televisão) que o Lolla emplacou. Foi uma combinação de fatores: uma locação de fácil acesso e com um visual privilegiado, a facilidade para a circulação de público, a civilidade no trato com gente com necessidades especiais, crianças e serviços, entre outros acertos.

Claro, houve (como sempre) filas homéricas para compras de lanches, água e cervejas, mas havia banheiros em quantidade suficiente, e o Jockey Club só peca um pouco pela falta de espaços sombreados, as benditas árvores. Medidas simples, como molhar a pista de corrida de cavalos para diminuir a poeira, foram tomadas pela direção do Jockey. A produção passou a noite de domingo para segunda-feira na desmontagem do festival, também facilitada pela localização.

O palco Kidzapalooza, concebido para atrair os filhos dos pais roqueiros, ficou melancolicamente às moscas durante o festival. Shows sem plateia, ou com plateia composta apenas por funcionários do festival, foram a tônica. Ali do lado, o Conservatório Souza Lima sorteava bolsas de estudo para musicalização, também sem muito sucesso.

Leonardo Ganem, da Geo Eventos, partner de Perry Farrell (o criador e organizador do festival), confirmou com seu parceiro a edição 2013. E Farrell já anunciou que vai levar a banda brasileira O Rappa para apresentar-se na edição americana do evento. "Para mim, eles me lembram grupos como o Public Enemy, com uma atitude que tem tudo a ver com o Lollapalooza", afirmou Farrell, em entrevista ao canal Multishow. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
músicaLollapalooza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.