Após atraso, museu em Atenas deve ser inaugurado

Construída com o único objetivo de abrigar algumas das obras de artes mais polêmicas do mundo, a estrutura de vidro apoiada sobre grossas colunas de concreto eleva-se a poucos metros do Parthenon, em Atenas.Depois de anos de batalhas judiciais e prazos descumpridos, o novo Museu da Acrópole deve ser concluído em seis meses, para pouco depois abrir as portas e receber um número de visitantes estimado em 10 mil por dia."Ainda em 2007 receberemos as estátuas que hoje estão na Acrópole", disse Dimitrios Pandermalis, presidente da Organização para a Construção do Novo Museu da Acrópole.O museu vai proporcionar um espaço moderno para as obras de arte que estão apertadas numa pequena construção na Acrópole, mas seu principal objetivo é abrigar as esculturas do Parthenon que hoje estão no Museu Britânico, o que deve dar ao governo grego mais força para reclamá-las de volta.Autoridades do Ministério da Cultura disseram que ainda não há data para a abertura do museu, já que isso depende de quanto tempo vai levar para transportar as obras de arte da Acrópole para seu novo lar.O prédio é todo feito de colunas de concreto e paredes de vidro, e tem 14 mil metros quadrados.O chão da entrada possui espaços de vidro pelos quais os visitantes poderão ver as escavações abaixo do museu, que vão desde tempos pré-históricos.Os templos de mármore do século 5 a.C. no alto do monte - dominados pelo Parthenon, dedicado à deusa Atena - são considerados os melhores exemplos da arte e da arquitetura clássica.Há cerca de 200 anos, o embaixador britânico em Istambul, lorde Elgin, removeu grande parte das esculturas e das frisas do Parthenon e as enviou para a Inglaterra, onde as vendeu para o Museu Britânico. As peças ficaram conhecidas como os Mármores de Elgin.A Grécia tenta há décadas recuperá-los. Um dos argumentos britânicos para a não devolução das peças era a falta de um espaço adequado na Grécia para que elas fossem expostas.A construção do museu enfrentou vários entraves. O primeiro concurso internacional para seu projeto foi cancelado depois da descoberta de um sítio arqueológico no local. Os vencedores do segundo concurso, entre eles o arquiteto Bernard Tschumi, admitiram que enfrentaram um duro desafio. "A missão é hercúlea, já que Atenas tem terremotos regulares e restrições estruturais rígidas", escreveu Tschumi.Projetado para refletir várias das características do Parthenon, o museu tem um piso superior dedicado a expor as esculturas do templo. "Tem um centro de concreto com as mesmas dimensões e a mesma orientação do Parthenon", disse Pandermalis. Segundo ele, o desafio foi criar um museu aberto que se relacionasse tanto com o espaço arqueológico quanto com o urbano que o cerca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.