Após assistir à guerra, Festival de Toronto contempla o amor

Uma história inesperada sobre gravidezna adolescência e uma história de amor envolvendo uma bonecasexual de tamanho natural conquistaram os críticos no FestivalInternacional de Cinema de Toronto, desviando as atenções defilmes mais sombrios sobre guerra e política. Apesar de filmes voltados à guerra do Iraque e aoterrorismo global terem atraído reações de modo geralpositivas, outros trabalhos mais leves, como "Juno" e "Lars andthe Real Girl", também ganharam destaque. "Lars", que traz Ryan Gosling (indicado ao Oscar em 2007)como homem obcecado por uma boneca sexual, foi elogiado por seuroteiro inteligente, que transforma um tema incômodo numahistória de amor. Dirigido por Jason Reitman ("Obrigado por Fumar"), "Juno"trata de uma grávida de 16 anos que decide entregar seu bebêpara adoção. "Os dois filmes são comédias, muito amplas e muitosimpáticas", opinou David Poland, da MovieCityNews.com. Esses filmes menores triunfaram diante do ânimo maior emtorno de filmes de temática ligada ao Iraque, como "Redacted",de Brian de Palma, e "In the Valley of Elah", de Paul Haggis,além de "Rendition", de Gavin Hood, um olhar tenso sobre aprática de prender suspeitos de terrorismo em prisões noexterior. A ênfase no tema da guerra lembra a enxurrada de filmescríticos à guerra do Vietnã vista no final dos anos 1970, como"O Franco-atirador" e "Amargo Regresso". Mas, com a guerra no Iraque ainda em curso, alguns críticosacham que o público talvez ainda não esteja pronto para versuas consequências com objetividade. O argumento talvez setorne mais aparente quando os filmes chegarem aos cinemas. PRECURSOR DO OSCAR O festival de Toronto é visto por muitos como o pontapéinicial da temporada do Oscar, já que traz as estréiasnorte-americanas de muitos filmes que serão levados em contanas categorias principais do prêmio. O crítico Pete Hammond, da revista Maxim, disse que ainda écedo para ter uma boa idéia dos filmes que mais cotados paraprêmios, mas afirmou que algumas atuações merecem elogios. Ele apontou para Cate Blanchett, mas não para sua atuaçãoem "Elizabeth: The Golden Age", na qual ela retoma o papel darainha inglesa do século 16. O que vem sendo elogiado é a atuação de Blanchett no papelde Bob Dylan em "I''m Not There". Outra atuação que vem obtendo reações positivas é a deCasey Affleck como o vilão Robert Ford em "The Assassination ofJesse James by the Coward Robert Ford".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.