Após 22 anos, 'A Partilha' volta ao palco de São Paulo

Depois de 22 anos da estreia, a história de quatro irmãs que se reúnem para fazer a divisão dos bens herdados após a morte da mãe - e, com isso, trazem à tona ressentimentos e alegrias da relação familiar - volta ao palco de São Paulo, após temporada no Rio e apresentações em outras cidades. Comédia escrita por Miguel Falabella, "A Partilha" estreia na sexta-feira, no Teatro Shopping Frei Caneca, com quase todo o elenco original.

AE, Agência Estado

17 Outubro 2012 | 10h49

Susana Vieira, Arlete Salles e Thereza Piffer retomam seus papéis. Já Patricya Travassos substitui Natália do Vale, atriz da montagem original, que ficou em cartaz por seis anos pelo País. A direção do espetáculo é novamente de Falabella.

"O fato de fisicamente terem se passado 22 anos não era uma coisa que nos preocupava porque a gente não ficou caquético, e nem a peça é datada", comentou Susana, em encontro do elenco com a imprensa. A preocupação da atriz, que interpreta Regina, a irmã esotérica, liberada e alto astral, era saber se conseguiriam manter a leveza do original.

Para voltar ao papel de Lúcia, uma mulher que abandonou um casamento tradicional e o filho para viver um grande amor em Paris, Arlete contou que fez questão de não rever nenhuma gravação da montagem anterior, para não se repetir, mas manteve a essência da personagem. "Foi quase um desafio. Eu não sou mais aquela atriz de 20 anos atrás", afirmou. Ainda que fale de conflitos familiares, a peça é muito alegre e amorosa, na avaliação de Arlete.

Susana contou que Falabella tem a sua versão de como surgiu a ideia da peça e ela, a dela. Pela lembrança da atriz, tudo começou na comemoração do aniversário dela, em uma boate no Rio, em que estavam presentes Falabella, Arlete, Natália e Gloria Pires. Ele tinha um amigo cuja mãe, uma judia muito rica, tinha acabado de morrer e presenciou as discussões das tias e primas sobre a herança. Ali mesmo Falabella pensou naquela história para reunir no teatro as quatro atrizes. Gloria acabou não entrando no projeto, mas, em 2001, participou da adaptação cinematográfica da peça feita pelo diretor Daniel Filho, junto com Lilia Cabral, Andrea Beltrão e Paloma Duarte.

Enquanto preparava o texto da peça, Falabella e Patricya trabalhavam como redatores do humorístico TV Pirata e ela testemunhou todo o processo de criação. A atriz chegou até a substituir Natália no espetáculo durante três meses, no mesmo papel que assume agora, a tijucana conservadora Selma, presa a um casamento tedioso com um militar. "Mas agora ensaiamos dois meses com o Miguel. A gente pode testar nossas relações, criar, repensar", observou a atriz, que ganhou elogios da colega Susana. "A Patricya entrou e nos trouxe um timing de comédia novo também. E acho que isso foi o grande boom, sem desfazer de nós três." No caso de Thereza, o convite para interpretar a caçula Laura, uma intelectual que se assume lésbica, foi um "presente" de Falabella, que na época era seu professor de teatro. As informações são do Jornal da Tarde.

A PARTILHA

Teatro Shopping Frei Caneca (R. Frei Caneca, 569, 6.º andar, Consolação). Tel. 3472-2229. Sexta, às 21h30; sábado, às 19h e às 21h30, e domingo, às 18h. Até 25/11. Ingressos: R$ 80 e R$ 120. 12 anos. Estreia sexta-feira.

Mais conteúdo sobre:
teatroA Partilha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.