APCA escolhe os melhores de 2000

Mais de 50 associados da Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA), representando as principais publicações de São Paulo, estiveram reunidos na sede do Sindicato dos Jornalistas na noite desta segunda-feira para o encontro anual em que escolhem os melhores do ano em dez categorias artísticas: cinema, televisão, rádio, teatro, teatro infantil, literatura, artes visuais, dança, MPB e música clássica.Os prêmios - um troféu criado especialmente para a APCA pelo artista plástico Francisco Brennand - serão entregues em cerimônia oficial no fim de março, em data a ser definida, provavelmente no Teatro Municipal. Este ano, além da escolha dos melhores, a APCA brilhou com um evento de grande repercussão em outubro, os debates do projeto "A Crítica da Crítica", ocorridos no Centro Cultural São Paulo.Confira, a seguir, os melhores do ano 2000 em cada uma das dez categorias da APCA:Rádio - A Rádio Eldorado levou dois prêmios por sua atuação no ano 2000: melhor âncora/apresentadora, para Patrícia Palumbo, pelos programas Vozes do Brasil e Hora do Rush, na Eldorado FM, e melhor programa de variedades, para o Espaço Informal, apresentado por Gioconda Bordon, na Eldorado AM.O prêmio de jornalismo radiofônico foi para a Bandeirantes AM e o de esportes, para a Rádio Globo. A Rádio USP foi premiada por sua programação musical. O troféu Destaque vai para a Rádio Nova FM, pela reformulação da programação, com foco na MPB. E o projeto Personagem Procura Radioator, da Cultura FM, em parceria com o Senac, foi lembrada como iniciativa radiofônica do ano, pelas adaptações de contos de Machado de Assis.Cinema - A exemplo do que ocorreu esta semana, em que levou o prêmio de melhor filme no Festival de Buenos Aires, Cronicamente Inviável, de Sérgio Bianchi, foi apontado também como o melhor filme do ano 2000 pelos críticos de São Paulo. Ruy Guerra é o melhor diretor, por Estorvo, filme que também ficou com o prêmio de fotografia, para Marcelo Durst.Eu Tu Eles, de Andrucha Waddington, ganhou dois prêmios: melhor roteiro, para Elena Soárez , e melhor ator (dividido pelo trio masculino que interpretou os três maridos na trama: Stênio Garcia, Lima Duarte e Luiz Carlos Vasconcelos).A melhor atriz de cinema do ano é Laura Cardoso, por Através da Janela, de Tata Amaral. Castelo Rá-Tim-Bum - O Filme, de Cao Hamburger, leva um troféu na categoria cinema infanto-juvenil.Televisão - A minissérie A Muralha, de Maria Adelaide Amaral, ganhou o Grande Prêmio da Crítica. No Limite foi escolhido o melhor programa de entretenimento e o quadro Retrato Falado, do Fantástico, com Denise Fraga, leva o prêmio de humor. Tarcísio Meira (por A Muralha) e Marieta Severo (por Laços de Família) são os melhores intérpretes televisivos de 2000. A atriz Júlia Feldens, também de Laços de Família, vai receber o troféu de revelação. Fora da Rede Globo, o único prêmio saiu para a MTV, para Marcos Mion, como o melhor apresentador.Música erudita - O Grande Prêmio da Crítica ficou com o pesquisador Vasco Mariz. De Cabral aos Nossos Dias, poema sinfônico de Tasso J. Bangel, venceu como melhor obra sinfônica. A peça camerística do ano é Domitila, a Marquesa de Santos, de João Guilherme Ripper. O prêmio de instrumentista vai para a pianista Beatriz Balzi e o de regência, para o maestro Jamil Maluf. O compositor Hans Joachin Köellreutter foi escolhido para ganhar um troféu especial. O melhor CD de música clássica vai para o conjunto de trabalhos do selo Fiesta, pela remasterização de discos dos anos 50 de autores brasileiros.Música popular - Melhor projeto do ano: o pacote de discos da caixa Noel pela Primeira Vez, uma iniciativa do pesquisador Omar Jubran. Disco do ano: Por Pouco, do Mundo Livre S/A. Cantora: Bebel Gilberto (Tanto Tempo). Cantor: Simoninha (Volume 2). Compositora: Angêla Rô-Rô (Acertei no Milênio). Grupo: Planet Hemp (A Invasão do Sagaz Homem-Fumaça). Revelação de 2000: Max de Castro (Samba Raro).Teatro - A APCA escolheu Rei Lear como o melhor espetáculo da temporada de 2000. O diretor premiado é Sérgio Ferrara, por Pobre Super-Homem. O dramaturgo Mário Bortolotto ganha como melhor autor, pelo conjunto da obra. Melhor ator: Paulo Autran, por Visitando Mr. Green. Melhor atriz: Berta Zemel, por Anjo Duro. J.C. Serroni foi o melhor cenógrafo pelos trabalhos em Rei Lear e Ópera do Malandro. Um prêmio especial do júri vai ser entregue a Marcos Tidemann, pela restauração e revitalização cultural do TBC.Teatro infantil - Os jurados de teatro infantil decidiram-se por uma inovação. Em vez de premiar nas categorias tradicionais de peça, direção, ator, atriz, etc., escolheram os sete melhores espetáculos apresentados em 2000 e dividiram os prêmios entre eles. Assim, vão receber seus troféus: Farsa Quixotesca, de Hugo Possolo, com os Parlapatões e Pia Fraus (Grande Prêmio da Crítica), Os Três Porquinhos - A Pantomima da Cia. Histórias do Baú (melhor espetáculo para crianças), Pirata na Linha, de Aimar Labaki (melhor espetáculo para jovens), De Mala e Cuia, da Cia. Circodélico (melhor espetáculo com técnica circense), Amídalas, de Rodrigo Castilho e Marília Toledo (melhor musical infantil), O Caso da Casa, da Cia. Os Hermeneutas (melhor espetáculo adaptado de texto clássico) e Circus - A Nova Turnê, da Cia. A Cidade Muda (melhor espetáculo de animação/bonecos).Literatura - O Grande Prêmio da Crítica saiu para a escritora Lygia Fagundes Telles, por seu Invenção e Memória (Rocco). Melhor romance: O Doente Molière, de Rubem Fonseca (Companhia das Letras). Melhor poesia: Epifanias, de Neide Archanjo (Record). Revelação: Valesca de Assis, por Harmonia das Esferas (WS Editor). Infantil: De Cabeça pra Baixo, de Ricardo Cunha Lima (Cia. das Letrinhas). Juvenil: O Mistério dos Desaparecidos, de Plínio Cabral (Atual). A Global Editora recebe um prêmio como projeto editorial.Dança - Intérprete: Mariana Muniz. Direção e concepção artística: Marta Soares, por O Homem de Jasmim. Videocenografia: Rachel Zuanon, por O Homem de Jasmim. Estímulo: Guaíra 2 Cia. da Dança. Pesquisa: João Andreazzi. Coreógrafo: Sandro Borelli (Plásmica Substância). Melhor elenco: Grupo Corpo por O Corpo.Artes Visuais - Artista do ano: Luiz Sacilotto. Design: Tide Hellmeister (Pinacoteca). Tridimensional: Pazé. Fotografia: Pedro Martinelli (MIS). Arte/Comunicação: Livro Carmela Gross, de Ana Maria Belluzzo (Cosac e Naif). Melhor exposição: Matrizes Brasileiras do Expressionismo (MAM). Retrospectiva: Ismael Nery, com curadoria de Denise Mattar (Museu de Arte Brasileira).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.