APCA elege os melhores de 2003

Cerca de 70 críticos de artes dos principais veículos de São Paulo, todos associados da Associação Paulista de Críticos de Artes, a APCA, reuniram-se na noite de segunda-feira para escolher os melhores de 2003 em dez categorias: cinema, televisão, teatro, teatro infantil, música popular, música erudita, rádio, dança, artes visuais e literatura. A festa de entrega dos prêmios será no dia 29 de março, no Teatro Municipal de São Paulo. "O resultado da votação de segunda-feira foi histórico para a APCA, pois a entidade conseguiu bater seu recorde de participantes", comemora a nova presidente da associação, Leila Reis, crítica de televisão do Estado. "Os artistas merecem essa consideração dos críticos, num ano em que as manifestações de talento e criatividade superaram as expectativas em todas as áreas de atuação artística." Os troféus da APCA foram criados especialmente pelo artista plástico Francisco Brennand. A seguir, a lista completa dos premiados em cada uma das dez categorias.Cinema - O melhor filme foi O Homem Que Copiava, de Jorge Furtado. Amarelo Manga ganhou na categoria de direção (Cláudio Assis) e montagem (Paulo Sacramento). O melhor ator foi Wagner Moura, por Deus É Brasileiro, e a melhor atriz, Simone Spoladore, por Desmundo. Na categoria de documentário, o contemplado foi Nelson Freire, de João Moreira Salles. O melhor roteiro foi o de Separações, de Domingos de Oliveira.Televisão - O Grande Prêmio da Crítica foi para a minissérie A Casa das Sete Mulheres. Na categoria de humor, o vencedor foi o Rock´n Gol, da MTV. O melhor programa foi Cena Aberta, da Globo. Melhor ator: Dan Stulback, por Mulheres Apaixonadas. Melhor atriz: Nívea Maria, por A Casa das Sete Mulheres. Revelação do ano vai para o programa Pânico, de Rede TV1. João Gordo, da MTV, foi escolhido como melhor entrevistador.Teatro - Os críticos da área teatral decidiram-se por uma inovação. Escolheram seis espetáculos, que consideraram os melhores e premiaram todos eles com o troféu da APCA de melhor peça. Assim, os seis premiados são os espetáculos Mire Veja (Cia. do Feijão), A Morte de um Caixeiro-Viajante (Felipe Hirsch), Otelo (Folias D´Arte), A Paixão segundo G.H. (Enrique Diaz), A Poltrona Escura (Roberto Bacci) e Os Sertões, o Homem e a Terra (Zé Celso Martinez Corrêa). O júri escolheu também a atriz Cleyde Yáconis para receber o Grande Prêmio da Crítica, pelo conjunto de atuações.Teatro infantil - Por seu trabalho em dois espetáculos infantis de 2003, Miranda e O Gato Malhado e A Andorinha Sinhá, Vladimir Capella foi escolhido como melhor diretor de 2003. O melhor espetáculo infantil foi O Gato Malhado, produção de Cinthia Abravanel, e o melhor espetáculo jovem, Piratas do Tietê, produção do Sesi. Os Três Porquinhos, da Cia. Le Plat du Jour, ganhou como melhor texto adaptado. O melhor ator foi Alexandre Roit, por Piratas do Tietê, e a melhor atriz foi Ana Luíza Lacombe, por Faz e Conta - Fábulas de Esopo. A melhor cenografia foi a de Guerra na Casa do João, por Duda Arruk e José Silveira.Dança - O júri atribuiu a Evaldo Mocarzel, ex-editor do Caderno 2, um prêmio por sua atuação na área de jornalismo cultural em dança. Na categoria de política cultural, o vencedor foi Braços e Pernas pela Cidade: Prêmio Estímulo em Dança - CCSP. Categoria coletivo independente: Mobilização Dança. Categoria projeto editorial: Editora Anablume, pela Coleção Leituras do Corpo. Revelação do ano: Ângelo Madureira e Ana Catarina, por Brasílica. Criação-intérprete: Ângela Nolf e Deborah Furquim, por Espaço Vazado, e Cristian Duarte, por Alta Necessidade.Rádio - Na categoria jornalismo, a emissora escolhida foi a Bandeirantes. Juca Kfouri, da CBN, foi eleito o melhor jornalista esportivo do ano no rádio. José Paulo de Andrade, da Bandeirantes, ganhou como melhor âncora-comunicador. A Jovem Pan leva um prêmio de ação social por Jovem Pan contra as Drogas. A Eldorado AM venceu em cultura/variedades, pelo programa São Paulo de Todos os Tempos. O melhor humorístico, segundo os críticos da APCA, foi o Na Geral, da Bandeirantes. Gilberto Dimenstein leva o prêmio de comentarista da CBN.Literatura - Melhor romance de 2003: Mongólia, de Bernardo Carvalho. Poesia: Obra Reunida, de Álvaro Alves de Faria. Contos: O Vôo da Madrugada, de Sérgio Sant´Anna. Ensaio: Céline e a Ruína do Velho Mundo, de Dau Bastos. Tradução: Donaldo Schüler, por Finnegan´s Wake. Projeto editorial: Nélson de Oliveira, fomentador da Geração 90.Música popular - Melhor disco: À Procura da Batida Perfeita, de Marcelo D2. Melhor cantora: Maria Bethânia, por Brasileirinho. Melhor cantor: Zeca Baleiro. Revelação: Lan Lan. Melhor compositor: Nando Reis. Melhor grupo: Los Hermanos. Projeto especial: Acerto de Contas, de Paulo Vanzolini.Música erudita - Grande Prêmio da Crítica vai para o compositor Almeida Prado. Um prêmio especial será destinado à Rádio Cultura FM. Melhor CD: Lembranças de Amor, com música de Osvaldo Lacerda. Melhor conjunto de câmara: PIAP - Grupo de Percussão do Instituto de Artes do Planato. Na categoria ópera, venceu o maestro Jamil Maluf, por Contos de Hoffmann. O melhor instrumentista é Fernando Lopes (piano). Conjunto vocal: Collegium Musicum.Artes visuais - Grande Prêmio da Crítica: Albert Eckout Volta ao Brasil. Exposição internacional: Tate: a Bigger Splash. Curadoria: Tadeu Chiarelli, por Novecento Sudamericano. Retrospectiva: Samson Flexor. Exposição nacional: Claraluz, de Regina Silveira. Ação cultural: 1.ª Quadrienal Internacional de Aquarela. Escultura: Franz Krajcberg, pelo conjunto da obra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.