Apagão e futebol fazem rir em Piracicaba

História, política, sociedade, arte, esporte, tecnologia, fé. São esses alguns dos temas que ilustram o 28.º Salão Internacional de Humor de Piracicaba, cuja abertura se deu no sábado, na agradável cidade do interior paulista. O grupo Conjunto Nacional, formado por Paulo e Chico Caruso, Aroeira, Redi e Luis Fernando Verissimo, animou a festa. O Salão, tido como um dos três mais importantes do mundo, segue aberto ao público até 14 de outubro.Na mostra competitiva, os temas predominantes foram as crises no futebol e na energia do País. A caricatura também contou com retratos recorrentes, como os de Ed Motta, Chico Xavier e Gustavo Kuerten. Os ganhadores já foram divulgados: Luc Descheemaeker (Bélgica, cartum), Eloar Guazzelli Filho (São Paulo, charge) e Luís Carlos Fernandes (São Caetano, caricatura). Na categoria quadrinhos, o 1.º lugar, do recifense Cristiano Mascaro, foi contestado pelo paulistano Maxx Figueiredo, que ficou em 2.º. O trabalho ganhador já havia sido publicado na revista Bagú - o que o regulamento não permite. Discutiu-se mudar a regra para 2002, mas a premiação deste ano não foi alterada.Polêmicas à parte, o bom humor prevalece no Salão. Exemplo disso é o espaço Prisão Domiciliar, assinado por Chico Caruso. Uma casa de decoração insólita, de listras pretas e brancas, onde cumprem pena bonecos do juiz Lalau e de Menem.Há também mostras dedicadas a desenhistas como Dálcio, premiado diversas vezes no Salão, e Miguel Paiva, que apresenta uma seleção de tiras da Radical Chic e do Gatão de Meia-Idade, ambos colaboradores do Estado.Alcy, remanescente do Pasquim, também tem uma exposição paralela. O desenhista cria a partir de coisas simples e até óbvias do cotidiano, que tomam a forma de um cartum satírico e despojado. Exemplo é um desenho que era o reflexo da própria abertura do Salão, no qual convidados de uma exposição mal prestavam atenção nos quadros de Portinari, enquanto conversavam e disputavam o bufê.O maior destaque, no entanto, é a reprodução do Mural do Canecão - um afresco de 32 por 6 metros, pintado por Ziraldo em 68. O original foi abandonado pela direção da casa carioca, em meados de 70, que colocou um tapume sobre a obra, por achar que não combinava com o espetáculo Moulin Rouge, que veio ao Brasil na época. Também participam do Salão nomes como Paulo Caruso, Aroeira, Laerte, Eduardo Grosso, entre outros.O 28.º Salão Internacional de Humor de Piracicaba fica aberto diariamente das 10 às 21 horas, com entrada franca. O endereço é Parque Engenho Central (Avenida Maurice Allain, 454), em Piracicaba, tel. (19) 421-3296.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.