Aos 90, Narizinho ganha edição latino-americana

Em 1976, no primeiro ano da ditadura militar na Argentina, a jovem Cristina Kirchner viu a irmã recortando capas de edições em espanhol do Sítio do Picapau Amarelo e colando-as sobre títulos de pensadores esquerdistas como Rodolfo Puiggrós e Franz Fanon ? queria protegê-los da intenção da mãe de queimá-los para evitar problemas. O relato está no texto assinado pela atual presidente argentina ? cuja popularidade caiu vertiginosamente desde 2008, quando assumiu o foverno ? e que abre a mais recente edição latino-americana de Las Travesuras de Naricita (Losada). O convite foi uma ideia do governo brasileiro para atrair atenção para a edição que ele patrocina e que será lançada neste mês na Feira Internacional do Livro de Buenos Aires. Em dezembro, As Reinações de Narizinho ganhará também edição comemorativa no Brasil, pela editora Globo ? o conto que deu origem à personagem, A Menina do Narizinho Arrebitado, saiu no Natal de 1920 e 11 anos depois viria a abrir Reinações. Em junho, a empresa coloca no mercado nacional o infantil O Garimpeiro do Rio das Garças, que, sem os personagens do Sítio, ficou de fora das obras completas de Lobato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.