Arquivo/AE
Arquivo/AE

Ao lado de Cazuza

Inscrições de prêmio para achar um novo parceiro para Cazuza são prorrogadas

, O Estado de S.Paulo

18 Junho 2011 | 00h00

Foi prorrogado até o dia 28 de junho o prazo para as inscrições do 5.º Prêmio Musique. O concurso procura, desta vez, um "parceiro" para o roqueiro Cazuza. Os interessados devem fazer uma música para a letra Qual a Cor do Amor? (leia ao lado), que nunca havia sido gravada pelo cantor. É a primeira vez que a família de Cazuza, o pai João Araújo e a mãe Lucinha, libera uma de suas letras inéditas para ser musicada por desconhecidos.

O Prêmio Musique, realizado pelo Caderno2+Música em parceria com a Rádio Eldorado, já encontrou parceiros para Arnaldo Antunes, Tom Zé, Capital Inicial e Sérgio Dias. Os interessados precisam gravar suas músicas e enviar para o jornal por meio do site estadão.com.br/musique. O jurado convidado da vez é Nilo Romero, produtor de vários discos de Cazuza. O júri vai selecionar quatro concorrentes finalistas e enviá-los para um colegiado formado especialmente para esta edição. Além do próprio Nilo, estarão nessa turma o jornalista Nelson Motta, o pesquisador Zuza Homem de Mello, o músico Frejat e os pais de Cazuza. Um quinto finalista sairá de uma votação online.

O vencedor terá um clipe da música gravado pelo estúdio Jotaeme, a música regravada no estúdio Mosh e a execução da canção feita pelas rádios do Grupo Estado. Ele também vai concorrer com os quatro vencedores das outras edições do Musique em uma votação pela internet. Quem vencer esta última fase vai fazer uma apresentação no palco Sunset do Rock in Rio.

Show de Frejat. O final da edição Musique Cazuza terá outra novidade. O vocalista Frejat, parceiro de Cazuza nos anos de Barão Vermelho, vai fazer um show no dia 16 de agosto, às 21 h, no Teatro do Sesc Pompeia, para homenagear o amigo e apresentar o músico vencedor.

A letra Qual a Cor do Amor? foi encontrada por Lucinha Araújo e pelo jornalista e compositor Ezequiel Neves (morto em julho do ano passado) em uma pasta verde que Cazuza guardava sobre seu armário. Houve algumas propostas de artistas que queriam gravar a canção, mas as negociações com a família nunca chegaram a um consenso. Outras letras que estavam na mesma pasta chegaram a virar parcerias póstumas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.