Anúncio de Nobel de Literatura causa polêmica nos EUA

Secretário permanente do comitê do Nobel, o sueco Horace Engdahl, desqualifica literatura norte-americana

AP,

08 de outubro de 2008 | 20h12

Por muito tempo, as perguntas antes do anúncio do Nobel de Literatura foram - vai ganhar um homem ou uma mulher, uma poeta ou um romancista? Antes do anúncio do ganhador do Nobel de 2008, surge uma nova pergunta: o ganhador será um escritor norte-americano? As recentes declarações do secretário permanente do comitê do Nobel, o sueco Horace Engdahl, tem causado muito barulho no mundo das letras. Na semana passada, ele disse à Associated Press que os Estados Unidos são um país demasiado insular e ignorante para competir com a Europa como centro literário do mundo. "Eles não traduzem o suficiente e não participam realmente do grande diálogo da literatura", disse Engdahl. "Essa ignorância é limitante", acrescentou. Engdahl falava da literatura norte-americana em geral, não de escritores específicos, mas alguns observadores entenderam que um preconceito poderia arruinar as possibilidades de potenciais e permanentes candidatos daquele país, como Philip Roth, Joyce Carol Oates y Don DeLillo.O secretário rechaçou a idéia de que a Academia Sueca é influenciada por política ou nacionalidade no momento de selecionar o ganhador."Na realidade, nós decidimos baseados em uma avaliação puramente literária", disse na entrevista do dia 30 de setembro, e acrescentou que a Academia é "um grupo heterogêneo politicamente". Muitas das escolhas do comitê, disse, foram politicamente controversas, porque "a grande literatura é sempre controversa". Às vésperas do anúncio, a agência de apostas britânica Ladbrokes dava o escritor italiano Claudio Magris com mais chances, seguido do poeta sírio Adônis e do escritor israelense Amos Oz. Roth, favorido no ano passado, caiu para quinto lugar na lista da Ladbrokes. Desde que o japonês Kenzaburo Oe ganhou o prêmio em 1994, os indicados têm um claro sabor europeu. Nove dos últimos premiados eram do Velho Continente, incluindo a ganhadora do ano passado, a britânica Doris Lessing. Dos outros quatro, um foi da Turquia, um da África do Sul, outro da China e um de Trinidad. A última norte-americana a ganhar um Nobel foi a escritora Toni Morrison, em 1993. Seus comentários provocaram fortes reações de funcionários literários do outro lado do Atlântico. O chefe da Fundação Nacional do Livro nos Estados Unidos ofereceu enviar a Engdahl uma lista de livros recomendados para ele ler. Na Suécia, Jonas Thente, um crítico literário do jornal DagensNyheter, disse que esperava que os escritores norte-americanos Thomas Pynchon e Don DeLillo dividissem o prêmio."O escândalo deste ano é a literatura norte-americana, sobre a qual o secretário da Academia faltou com o respeito", disse Thente em um vídeo no site do jornal. "Eu espero que o grande romance pós-moderno norte-americano finalmente ganhe o prêmio".  - 2007: Doris Lessing (Reino Unido) - 2006: Orhan Pamuk (Turquia) - 2005: Harold Pinter (Reino Unido) - 2004: Elfriede Jelinek (Áustria) - 2003: J.M. Coetzee (África do Sul) - 2002: Imre Kertesz (Hungria) - 2001: V.S. Naipaul (Trinidad/Reino Unido - 2000: Gao Xingjian (China) - 1999: Gunter Grass (Alemanha) - 1998: José Saramago (Portugal)

Tudo o que sabemos sobre:
Nobel de Literatura2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.