Piu Dip
Piu Dip
Imagem João Wady Cury
Colunista
João Wady Cury
Palco, plateia e coxia
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Antunes Filho em forma de texto

Com direção de Luiz Päetow, ex-integrante do grupo de Antunes, a peça inédita traz um olhar revisionista sobre a Bíblia a partir das relações humanas

João Wady Cury, O Estado de S. Paulo

09 de janeiro de 2020 | 03h00

$odoma & Gomorra (como grafado pelo autor) é o nome sugestivo da peça ainda inédita, escrita por Antunes Filho (1929-2019) em meados dos anos 90 – e que pode chegar ao palco ainda este ano. Um grupo de artistas vem articulando a montagem há seis meses e, desde segunda-feira, começou uma ação na internet para sensibilizar possíveis financiadores como Sesc e Secretaria Municipal de Cultura. Com direção de Luiz Päetow, ex-integrante do grupo de Antunes, a peça traz um olhar revisionista sobre a Bíblia a partir das relações humanas. 

CORO FORA DE ‘$ODOMA’

O elenco de 15 artistas traz nomes importantes do teatro nacional, como os de Matheus Nachtergaele, cujo personagem é o fio condutor da trama, Cacá Carvalho e Grace Passô, além de vários atores e atrizes como Fabiana Gugli, Rodrigo Bolzan, Elisa Ohtake, alguns com passagens pelo CPT do Sesc. “A ideia é montarmos a peça como concebida originalmente por Antunes”, conta Päetow. “A única questão é que havia a participação de um coro, mas decidi tirá-lo, depois de uma conversa, na ocasião, com ele.” Päetow exibe orgulhoso o texto original encadernado com o recado de Antunes na capa: “Päetow, só você consegue encenar esta peça. Eu te amo!, Antunes Filho”. 

MOBILIDADE EM CENA

Aquela Cia, do Rio de Janeiro, chega este mês para a abertura de processo no fim do mês, com a participação do público, de seu novo trabalho, Plataforma 8, que será apresentado no Sesc Avenida Paulista. São várias etapas, de ensaios abertos a discussões de textos como o de João das Neves, O Último Carro ou as 14 Estações, montado pelo Grupo Opinião, anos 70. Aquela Cia é conhecida pela Trilogia da Cidade (Cara de Cavalo, Caranguejo Overdrive e Guanabara Canibal). 

A GILHOTINA CANTA

Se por aqui a jurupoca pia em Lisboa, hoje, a guilhotina vai cantar. E o pescoço em questão é o de Georges Jacques Danton, o revolucionário francês na peça do dramaturgo alemão Georg Büchner. A montagem de A Morte de Danton (à esq.) estreia hoje no Teatro D. Maria II, em Lisboa. Tenta trazer respostas para duas perguntas angustiantes na ótica do diretor Nuno Cardoso: “Até quando continuará a humanidade a devorar o seu próprio corpo?” e “Este relógio não tem descanso?”. É também um bom momento para revisitar os ideários da Revolução Francesa numa época em que direitos fundamentais no que diz respeito a liberdades individuais são questionados.

3 perguntas para: Fernando Alves Pinto - Ator, seria psicanalista

1. Por que teatro?

Por ser a arte mais viva e mais efêmera, por isso mesmo preciosa e importante.

2. Com qual personagem de teatro se parece?

Todos! Prazer na esquizofrenia!

3. Frase arrebatadora?

“Ai que preguiça”, em Macunaíma, de Mário de Andrade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.