Antropóloga lança livro sobre Suassuna

Um dia após ganhar o Prêmio Jorge Amado de Literatura e Artes, pelo qual vai ganhar R$ 100 mil do governo da Bahia, Ariano Suassuna recebeu nesta sexta-feira outra homenagem, com o lançamento do livro O Cabreiro Tresmalhado, da antropóloga Maria Aparecida Lopes Nogueira. O livro conta a história do escritor paraibano de uma perspectiva cultural. Tese de doutorado apresentada no ano 2000 à PUC-SP, O Cabreiro Tresmalhado "mostra que Ariano é um antropólogo implícito, um pensador que não é acadêmico mas que mesmo assim se debruça sobre a cultura", segundo a autora. Maria Aparecida parte da primeira grande tragédia da vida de Ariano Suassuna _ o assassinato de seu pai aos 3 anos de idade _ para completar um quadro sobre sua vida de escritor e artista plástico. "Esse fato é crucial para toda a obra de Saussuna, é como se significasse a desordem que possibilitou a criação", diz. Menos teórico mas da mesma forma entusiasmado com o carinho dos fãs que lotaram uma sala do Sesc Pompéia para ouvir sua aula-espetáculo, o próprio Suassuna fez questão de dizer o quanto estava feliz com o prêmio Jorge Amado. "Principalmente por se tratar de um prêmio com o nome de Jorge Amado, que era meu amigo." Sobre seu próximo livro, Ariano Suassuna não quis informar detalhes. "Posso dizer apenas que é um romance, e nele eu estou tentando fazer pela primeira vez uma reunião de tudo o que escrevi, meu teatro, minha prosa e minha poesia." O livro vem sendo escrito à mão há 15 anos, e terá ilustrações feitas por Suassuna com técnicas que ele mesmo criou. A publicação está prevista para novembro. O Cabreiro Tresmalhado - Maria Aparecida Lopes Nogueira. Editora Palas Athena, 296 pp., R$ 30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.