Antony Gormley exibe esculturas em prédios de SP

No centro de São Paulo, em uma área que vai da Praça do Patriarca até o Teatro Municipal, 27 esculturas em forma de homens, feitas de ferro e em escala real, estão solitárias no topo de prédios. Elas transformam a paisagem urbana de uma maneira discreta e instigante ao mesmo tempo - afinal, as obras nos observam, inertes, ou seriam alienígenas que aparecem à nossa vista?

AE, Agência Estado

09 de maio de 2012 | 10h23

Em Nova York, quando o artista inglês Antony Gormley realizou, em 2010, essa mesma instalação, "Event Horizon" (Horizonte de Eventos), na Madison Square, algumas pessoas se assustaram, pensando serem as esculturas potenciais suicidas. O escultor se diverte com a história. "Event Horizon é um nome que vem da física, sobre a idade da visão a partir de um buraco negro, das constelações em expansão, depois do big-bang, que se movimentam rapidamente. O princípio básico dessa obra é uma ideia conceitual de que somos limitados pela percepção. O corpo é tirado de onde ele normalmente se encontra e está exposto contra o céu, olhando um horizonte que não podemos ver porque estamos incrustados na cidade. Quero que as pessoas olhem ao redor", conta o artista, que também já colocou suas obras no mar e na natureza. "Estou impressionado com a arquitetura de São Paulo, orgânica e com princípios geométricos. Parece uma peça de geologia, inconsciente, feita com uso inteligente do concreto e com grafites. Os prédios são como cristais."

"Event Horizon", já exibida também em Londres, compreende, ainda, 4 esculturas de homens (tendo como molde o próprio corpo do artista) espalhadas pelas ruas da região central paulistana. É um dos destaques da mostra "Corpos Presentes - Still Being", primeira grande exposição do conceituado Antony Gormley na América do Sul, com criações dos anos 1990 e 2000, a ser inaugurada no sábado, no Centro Cultural Banco do Brasil. Vencedor do prêmio Turner, em 1994, ele também é contemplado na cidade com a mostra "Fatos e Sistemas", preparada especialmente por sua galeria inglesa, a White Cube, que veio participar da SP-Arte 2012 e alugou um galpão de 500 m² perto do Parque do Ibirapuera.

Desde a semana passada, Gormley, de 61 anos, está em São Paulo para a montagem de sua mostra - que tem curadoria de Marcello Dantas e depois seguirá para o Rio de Janeiro e para Brasília. Sua experiência na metrópole tem sido "inspiradora", diz. Ele, que em 1992 criou "Amazonian Field" com milhares de pequenas figuras esculpidas em terracota - obra feita para a ECO 92 e exibida em Rondônia -, conta que no domingo, na Virada Cultural, foi ao show de Gilberto Gil na Praça Júlio Prestes e o achou "vibrante". Surpreendeu-se, depois, ao saber que o músico, "rocker" que tanto "requebrou", já havia sido ministro da Cultura. Mais ainda, viu no centro que as pessoas fervilham de um lado para o outro com uma energia muito "diferente" da vista nos transeuntes ensimesmados de Londres. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

CORPOS PRESENTES - STILL BEING

CCBB (Rua Álvares Penteado, 112, centro). Telefone (011) 3113-3651.

9 h/ 21 h (fecha 2ª). Grátis. Até 15/7. Abertura sábado.

FATOS E SISTEMAS - FACTS AND SYSTEMS

White Cube (Rua Agostinho Rodrigues Filho, 550). 4ª (9) a 6ª (11), 11 h / 22 h; sáb. (12) e dom. (13), 11 h / 20 h (de 15/5 a 15/7, das

11 h às 19 h). Grátis. Até 15/7. Abertura quarta.

Tudo o que sabemos sobre:
visuaisAntony Gormley

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.