Antônio Torres conta sobre o seqüestro do Rio

O escritor Antônio Torres empenhou-se em uma profunda pesquisa sobre o Rio de Janeiro em 1996, quando foi convidado a escrever sobre o centro da cidade. O material foi tão farto que, além da encomenda, ele escreveu um livro sobre o índio Cunhambebe, que se uniu aos franceses contra os portugueses no início da colonização, em Meu Querido Canibal (publicado em 2001), e outro sobre um personagem fascinante, o corsário francês René Duguay-Trouin que, em 1711, simplesmente seqüestrou a cidade do Rio de Janeiro, tema de O Nobre Seqüestrador (250 páginas, R$ 30), recentemente lançado pela editora Record. Durante 50 dias, Duguay-Trouin esperou o pagamento de um resgate, que era o ouro normalmente embarcado para Portugal. Naquele período, ele aterrorizou a cidade, apoiado por uma esquadra de 18 navios, quase 6 mil homens e 700 canhões. E só foi embora depois que os portugueses cederam e liberaram ouro em barras e em pó, prata, açúcar, barbatanas grandes e pequenas de baleia, cabeças de gado e uma boa quantidade de donzelas. Apesar de um enredo tão espetacular, Torres não queria escrever um romance tradicional, que se aproximasse do histórico. Um personagem como Duguay-Trouin merecia uma narrativa à altura, mas a inspiração lhe faltava. Por sugestão do escritor e amigo Carlos Heitor Cony, Torres visitou a terra de Duguay-Trouin, Saint-Malo, pequena cidade da Bretanha francesa, terra dos corsários. Foram duas viagens, que incluíram também La Rochelle, de onde o francês partiu para o Rio. Certo dia, quando estava diante de seu computador, Antônio Torres foi tomado por uma imagem que o marcou na viagem: a estátua de Duguay-Trouin, localizada diante das muralhas de Saint-Malo. "De repente, me veio a idéia de a estátua contar sua própria história", explica o escritor que, depois de uma exaustiva pesquisa sobre Duguay-Trouin, iniciou o romance justamente com um depoimento da estátua para um pesquisador do presente, na verdade, o próprio Torres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.