Antonio Márquez volta ao Brasil com nova coreografia

Mulheres atenção: Antonio Márquezvolta ao Teatro Municipal de São Paulo. O sensual morenoespanhol apresenta sua nova coreografia Boda Flamenca,apenas neste fim de semana na cidade."O espetáculo foi inspirado na história do avô de minhamulher, Eva Leiva. Ele largou a Espanha para tentar a vida noBrasil. Conquistou alguma fortuna, mas em uma rodada de cartasperdeu tudo, trabalhou muito até recuperar-se financeiramentequando decidiu voltar para sua terra natal. Lá conheceu seugrande amor", conta o coreógrafo. Por essa razão, Márquezescolheu o Brasil para estrear a turnê de seu novo espetáculo,Boda Flamenca.A coreografia narra a volta de um filho de espanhóis,interpretado por Márquez, que vive em algum país da Américaespanhola do século 16. O moço resolve voltar para a Espanha, afim de conhecer suas origens. "Creio que esse anseio sejaintrínseco ao ser humano, todos querem conhecer suas raízes."Nesse país, encontra um grande amor e vive um intensoromance. Entra em contato com a cultura local, descobre asdanças típicas e tradicionais da região, como o flamenco."Busco a essência do balé espanhol, acrescento ao espetáculodanças variadas, como a farruca e o tango."O trabalho de Márquez está próximo do balé e das dançastradicionais espanholas. Aos 12 anos, ele iniciou seus estudos,integrou o Balé Nacional da Espanha, onde chegou ao posto deprimeiro-bailarino. Em 1995, fundou sua própria companhia."Tenho um carinho muito grande pelo grupo, do que não excluí aexigência. Ensaiamos mais de sete horas por dia o flamenco,danças tradicionais e também o clássico. Quero que os bailarinosdêem o máximo. Alguns me acompanham desde que fundei acompanhia."Bodas nasceu durante a turnê que Márquez e sua truperealizaram no Brasil, no ano passado. A temporada foi um sucesso, com teatros lotados. As mulheres, especialmente, adoraram. Quemesteve no Teatro Municipal, ou simplesmente passou por lá, pôdeconferir os gritos histéricos e insistentes aplausos daplatéia.Antonio Márquez enlouquece seu público, pela dança quepor si só é sensual, forte e impactante, mas também por ser umhomem bonito. Ele sabe disso e explora muito bem sua imagem. Nofim de cada espetáculo, invariavelmente o bailarino aparece como dorso nu, camisa aberta, peito peludo e cabelosmolhados. Durante as apresentações lança olhares, faz caras egênero.O estereótipo do amante latino, que coleciona históriasde bastidores. "Algumas atitudes impressionam. Certa vez emMiami, uma fã invadiu meu camarim após a apresentação. Eu estavano chuveiro e ela entrou do mesmo jeito. Pedi, então, que elaaguardasse do lado de fora até que eu colocasse uma roupa e elarespondeu que não se importava", conta. Outra situaçãoinusitada ocorreu na Itália. Uma mulher atirou o sutiã ao palco."Tomei um susto, mas devolvi a ela. Só guardo os presentes queganho pessoalmente."O coreógrafo atribui esse fascínio às emoções. "Opúblico percebe quando um artista ama aquilo que faz. Além domais, o ritmo e a música são envolventes."Antonio Márquez. Sexta e sábado, às 21 horas;domingo, às 18 horas. De R$ 20,00 a R$ 100,00. Teatro Municipal.Praça Ramos de Azevedo, s/n.º, tel. 222-8698.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.