António Lobo Antunes vence Prêmio Camões de Literatura

O romancista português António Lobo Antunes é o vencedor do Prêmio Camões de Literatura de 2007. O anúncio foi feito no fim da tarde desta quarta-feira, 14, após o júri considerar o escritor um "mestre em descortinar os recessos mais incansáveis do ser humano". De sua obra, os títulos mas conhecidos são Boa Tarde às Coisas Aqui em Baixo, Memória de Elefante, Conhecimento do Inferno, Os Cus dos Judas, Explicação dos Pássaros, Alto dos Danados e A Ordem Natural das Coisas. A reunião dos jurados ocorreu no auditório da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Lobo Antunes deve receber um prêmio de 100 mil euros (aproximadamente R$ 270 mil). Ainda não se sabe quando será a cerimônia de premiação. O escritor recebeu a notícia em Lisboa, onde nasceu e vive até hoje. Lobo Antunes vai receber lá seu prêmio, em 10 de junho. Não é a primeira vez que Lobo Antunes é laureado, mas ele reage às homenagens com ceticismo. Em 2004, ao receber a condecoração do 14.º Prêmio Internacional União Latina de Literatura, disse ao Estado: ?Algo está errado quando se agrada a todos. O que eu queria, e é um desejo que ainda sustento, era manter todo o tempo da vida algo que aprendi no período em que vivi na África. Os angolanos me surpreenderam muito, pois para eles não existe passado nem futuro. Estar lá me fez compreender que podia incluir o passado e o futuro num imenso presente.? Maior prêmio O Prêmio Camões de Literatura, que é o considerado o maior dedicado à Literatura em Língua Portuguesa, consagra anualmente um escritor "pelo valor intrínseco da sua obra, tenha contribuído para o enriquecimento do patrimônio literário e cultural da língua comum", conforme texto do prêmio,criado em 1988, pelo Protocolo Adicional ao Acordo Cultural entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil. O ganhador do ano passado, o escritor José Luandino Vieira recusou o prêmio no valor de 100 mil euros (R$ 300 mil), alegando ?razões pessoais e íntimas?. "A opção do escritor será naturalmente respeitada?, dizia o texto. Nascido em Portugal, em 1935, Luandino mudou-se para Angola aos 3 anos de idade e depois de idas e vindas voltou a fixar-se em Angola em 1975. Em 2005, foi a vez do Brasil, com a premiação da escritora paulistana Lygia Fagundes Telles. Como costuma haver um rodízio de país premiado, seria mesmo pouco provável que um brasileiro fosse escolhido este ano. No entanto, das 18 edições anteriores, sete prêmios foram para brasileiros: João Cabral de Melo Neto, Rachel de Queiroz, Jorge Amado, Antônio Cândido, Autran Dourado, Rubem Fonseca e Lygia Fagundes Telles. Lobo Antunes Antes de se tornar escritor António Lobo Antunes era médico psiquiatra. Nascido em Lisboa, em 1942, foi convocado entre os anos de 1970 e 1973 para servir o exército português em Angola. Era a fase final da Guerra Colonial ou Guerra do Ultramar - travada entre Portugal e suas colônias em Angola, Guiné e Moçambique, que lutaram pela independência entre 1961 e 1974. A experiência foi retratada em vários de seus livros, com um tratamento literário muito particular de representar a memória e o trauma, especialmente na trilogia composta pelo seu primeiro romance, Memória de Elefante (1979), Os Cus dos Judas (1979) e Conhecimento do Inferno (1981). Desde sua estréia na literatura obteve amplo reconhecimento da crítica, e trocou a Medicina pelas letras. Em 1999 ganhou o Grande Prêmio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores, com a obra Exortação Aos Crocodilos. Mas não é somente sua produção inicial que é elogiada pelos críticos literários, que destacam também a mudança de rumos em seu trabalho da década de 90, que começa com Tratado das Paixões da Alma (1990) e A Ordem Natural das Coisas (1992), ou o romance histórico Um Deus Passeando Pela Brisa da Tarde (1994), com uma reflexão sobre a decadência dos impérios. Confira a lista de suas obras Memória de Elefante (1979) Os Cus de Judas (1979) A Explicação dos Pássaros (1981) Conhecimento do Inferno (1981) Fado Alexandrino (1983) Auto dos Danados (1985) As Naus (1988) Tratado das Paixões da Alma (1990) A Ordem Natural das Coisas (1992) A Morte de Carlos Gardel (1994) Manual dos Inquisidores (1996) O Esplendor de Portugal (1997) Exortação aos Crocodilos (1999) Não Entres Tão Depressa Nessa Noite Escura (2000) Que Farei Quando Tudo Arde? (2001) Boa Tarde às Coisas Aqui em Baixo (2003) Eu Hei-de Amar uma Pedra (2004) D´este Viver Aqui Neste Papel Descripto: Cartas de Guerra ("Cartas da Guerra", 2005) Ontem Não te vi em Babilónia (2006) (Matéria alterada às 18h30, com acréscimo de informações)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.