Antônio Gomide ganha exposição retrospectiva

Artista modernista pouco repercutido no Brasil, Antonio Gomide recebe uma mostra retrospectiva de sua obra até o dia 1º de dezembro na DAN Galeria. Norteado pela idéia de traçar o percurso histórico da produção do artista (que compreende a década de 20 até perto de 1967, ano da morte de Gomide), o proprietário da galeria, PeterCohn, levou quase quatro anos para reunir as cerca de 80 obras que compõem a exposição Antonio Gomide - Quatro Décadas deModernidade. Para ajudar nesse projeto, Cohn convidou a historiadora e crítica de arte Elvira Vernaschi, uma especialista em Gomide que escreveu o texto para o catálogo da exposição e o auxiliou na curadoria.Peter Cohn afirma que como está no "roteiro" de sua galeria fazer exposições com artistas modernos, uma mostra com obras de Gomide sempre esteve em seus planos. Entretanto, a dificuldade era reunir obras para serem expostas, já que "quemtem Gomide não quer vender". Por isso, a solução foi fazer uma exposição mista: há aproximadamente 70 obras para serem vendidas e as restantes são de colecionadores. "Quem sabe essa não sejauma oportunidade para resgatar Antonio Gomide na memória das pessoas." E apresentá-lo para quem não conhece sua vasta obra que compreende pinturas a óleo, aquarelas, desenhos (presentesna exposição), além de esculturas, murais, vitrais e peças de decoração interna.Antonio Gomide nasceu em Itapetininga em 1895 e em 1913 foi morar na Suíça com o intuito de fazer um curso de arte. Em 1920, foi morar em Paris onde conviveu com outros artistas brasileiros como Victor Brecheret, Vicente do Rego Monteiro,Tarsila do Amaral, entre outros. Foi na Europa que definiu o seu estilo que segue três linhas segundo a tese de Elvira Vernaschi:"A linha renascentista nas obras de cunho religioso, a cubista nas paisagens e naturezas-mortas e o art déco nas composições para estamparia, nas figuras femininas, arlequins e palhaços."Em 1929 fixou-se em São Paulo. Além de produzirintensamente (entre tantas técnicas e suportes), pode-se dizer que Gomide, sua irmã Regina Gomide Graz e seu cunhado John Graz foram os grandes precursores do art déco no Brasil produzindoprojetos de móveis, tapetes, vasos e abajures.Participou da vida cultural também sendo um dosfundadores do Clube dos Artistas Modernos e da Sociedade Pró Arte Moderna. Na década de 50, foi morar em Ubatuba onde se dedicou a pintar paisagens marinhas. Em 1966, ficou totalmentecego e, no ano seguinte, morreu. Já em 1968, Walter Zanini, diretor do Museu de Arte Contemporânea/USP organizou uma retrospectiva de Gomide e em 1992, a Pinacoteca fez uma mostrade suas aquarelas."Sua obra tem uma postura muito individual diante do modernismo e por isso ele é muito valorizado", diz Elvira. E como cogita Cohn, talvez esse seja o momento de se fazer uma releitura de sua obra.Antonio Gomide - Quatro Décadas deModernidade. De segunda a sexta, das 10 às 18 horas; sábado, das 10 às 13 horas. DAN Galeria. Rua Estados Unidos, 1.638, São Paulo, tel. (11) 3083-4600. Até 1º/12.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.