Eduardo Nicolau/AE
Eduardo Nicolau/AE

Antonio e Bruno Fagundes, de volta ao palco em ‘Tribos’

'Fiquei enlouquecido com o texto, especialmente por tratar de um tema polêmico de uma forma sensível e sensacional', disse Bruno

Ubiratan Brasil,

31 de agosto de 2013 | 18h53

Bruno Fagundes ainda dividia o palco com seu pai, Antonio, na peça Vermelho quando aproveitou uma folga e foi para Nova York. Voltou com uma ideia fixa na cabeça: o próximo projeto teria de ser a montagem de Tribos, espetáculo da inglesa Nina Raine. "Fiquei enlouquecido com o texto, especialmente por tratar de um tema polêmico de uma forma sensível e sensacional", disse o ator, que assume um papel difícil, a de um surdo, na montagem brasileira da peça, que estreia dia 14, no teatro Tuca.

Ao seu lado, Fagundes pai, repetindo a parceria em cena pela segunda vez. E, novamente, Bruno comprova que a ousadia é uma herança artística - sucesso na Europa e nos Estados Unidos, Tribos conta a história de um rapaz surdo, Billy (Bruno), que nasceu em uma família de ouvintes. E que família! O pai, Christopher (Antonio Fagundes), é um homem culto, professor, mas que nunca admitiu a surdez do filho. Resultado: além de blasfemar e xingar com vontade, ele obrigou a mulher, Beth (Eliete Cigarini), a ensinar o garoto a ler lábios e a responder vocalmente. "Ou seja, ele pretende que o filho seja ‘normal’", comenta Antonio.

A família disfuncional é completada pelos irmãos de Billy: Daniel (Guilherme Magon), lunático que ouve vozes estranhas, e Ruth (Maíra Dvorek), moça fracassada, cantora de ópera em pubs. "Em meio a essa confusão, com tantas pessoas falando sobre os próprios problemas, apenas Billy se dispõe a ouvir por meio dos lábios", comenta o diretor Ulysses Cruz.

A história toma um rumo inesperado com a chegada de Sylvia (Arieta Correia), garota que está ficando surda e, ao se enamorar de Billy, ensina-o a linguagem de sinais, o que desmonta a forma de comunicação montada por Christopher em sua casa - por conseguinte, seu comando sofre uma fratura. "Na verdade, são tribos que enfrentam dilemas ao se confrontarem", diz Bruno.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.