Antônio Carlos Secchin, o mais jovem, toma posse na ABL

Em cerimônia prestigiada por 28 imortais, o professor e crítico literário Antônio Carlos Secchin tomou posse nesta sexta-feira da cadeira 19 na Academia Brasileira de Letras (ABL). Ele ocupa a vaga do também professor e sociólogo Marcos Almir Madeira, a quem saudou em seu discurso, lembrando sua alegria de viver.Secchin foi recebido com discurso do presidente da Casa de Machado de Assis, o poeta Ivan Junqueira, o que não é praxe na instituição. "Mas há precedentes e nós temos tanta afinidade pessoal e profissional que ninguém pensou em outra pessoa para este momento", justificou o novo acadêmico, que é também o mais jovem da Casa, aos 52 anos.Em outra quebra da tradição, seu fardão não foi pago pelo governo do Estado ou da cidade do Rio de Janeiro, onde ele nasceu. "Decidi solicitar ao Ministério da Educação e à Universidade Federal do Rio de Janeiro essa gentileza, porque toda minha vida pertenci a estas duas instituições", disse Secchin. "Hoje sou catedrático de literatura brasileira na UFRJ e fazer parte da academia mantém uma tradição, porque todos os meus antecessores (na cátedra) estiveram aqui (na ABL)."No dia 10 de setembro, o historiador José Murilo de Carvalho toma posse na vaga do jurista Raymundo Faoro. A partir de então, pela primeira vez neste século, a academia estará com suas 40 cadeiras ocupadas.

Agencia Estado,

06 de agosto de 2004 | 22h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.