Antonio Candido ganha prêmio no México

O escritor brasileiro Antonio Candido, um dos principais críticos literários da língua portuguesa, ganhou o prêmio internacional Alfonso Reyes do México, que homenageia a vida e a obra de criadores literários, anunciou o Instituto Nacional de Bellas Artes (INBA) mexicano.Candido, de 87 anos, "é sem dúvida o maior crítico literário brasileiro vivo e um dos maiores da América Latina", disse em entrevista coletiva o diretor do INBA Saúl Juárez.O prêmio de US$ 60 mil dólares, será entregue ao escritor nopróximo dia 8 de outubro, na abertura da feira internacional do livro da cidade de Monterrey, no estado de Nuevo León, localidade de origem do criador mexicano Alfonso Reyes (1889-1959).O crítico brasileiro também é reconhecido "por seu compromisso político e social com os despossuídos", já que expôs em sua obra "que todos os homens têm direito à literatura", acrescentou Juárez.Uma das produções mais significativas de Antonio Candido é um estudo em que afirma que a literatura se integra como um sistema no qual participam denominadores de ordem social e psíquica, entre outros. Escreveu vários livros, entre eles destaca-se Formação da Literatura Brasileira, em dois volumes, publicado originalmente em 1959, e que é considerado um marco nos estudos literários. Publicou ainda: Introdução ao Método de Sílvio Romero, Ficção e Confissão - Ensaio sobre Graciliano Ramos, Literatura e Sociedade, O Discurso e a Cidade, Educação pela Noite e Outros Ensaios, Na Sala de Aula, entre outros.Nascido no Rio de Janeiro, 1918, Antonio Candido de Mello e Souza é doutor em Ciências Sociais e livre-docente em Literatura Brasileira, pela Universidade de São Paulo. Criou o curso de Teoria Literária da Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, da USP, onde também lecionou. Foi ainda professor emérito da Faculdade de Ciências e Letras de Assis, e deu aulas nas universidades de Paris, na França, e Yale, nos Estados Unidos.O prêmio internacional Alfonso Reyes foi criado há três décadas e é um reconhecimento do INBA do México e da Sociedade Alfonsina Internacional, em colaboração com a editora Século XXI e duas universidades do Estado de Nuevo León.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.