Anthony Quinn, genial como Zorba

George, O Rei da Floresta

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

06 Julho 2012 | 03h10

15H50 NA GLOBO

(George of the Jungle). EUA, 1997. Direção de Sam Weisman, com Brendan Fraser, Leslie Mann, Thomas Haden Church, John Cleese, Richard Round Tree e Greg Cruttwell.

Produção da Disney que retoma, como live action, os personagens de animação da série dos anos 1960. Brendan Fraser faz garoto criado na selva e que, de volta à civilização, tem dificuldade para se (re)adaptar às normas. Fraser é muito simpático no papel, e a aventura termina sendo divertida. Reprise, colorido, 92 min.

Almoço em Agosto

22 H NA CULTURA

(Pranzo di Ferragosto). Itália, 2008. Direção de Gianni di Gregorio, com Valeria de Franciscis, Maria Cali, Alfonso Santagata.

A emissora reprisa, no horário da Mostra - e agora dublado -, o longa que exibiu na quarta-feira, sobre solteirão que vira babá de idosas para saldar dívidas acumuladas. O filme, no qual produtores e distribuidores não confiavam, só foi feito graças à tenacidade do ator, roteirista e diretor Di Gregorio. Estourou nas bilheterias da Itália e virou um merecido êxito internacional. Reprise, colorido, 75 min.

Casa da Fúria

22H30 NA REDETV!

(House of Fury). China, 2005. Direção de Stephen Fung, com Anthony Wong Chau-Sang, Stephen Fung, Michael Wong, Gillian Chung, Daniel Wu, Charlene Choi e Ma Wu, Josie Ho.

Agente aposentado retira-se com os filhos para casa isolada, onde espera viver tranquilo e transmitir seus conhecimentos de lutas aos garotos. Surge um antigo inimigo e a família precisa formar uma equipe para enfrentar (e vencer) o perigo. Nada que você não tenha visto antes, mas o tom visa mais ao público infantojuvenil (que o adulto). Reprise, colorido, 99 min.

Ôrí

22H30 NA TV BRASIL

Brasil, 1989 Direção de Raquel Gerber.

A socióloga e cineasta Raquel Gerber documenta os movimentos negros do Brasil entre 1977 e 1988, com base na história de Beatriz Nascimento, morta em 1995. O filme aborda os ritos afro-brasileiros e as entidades do candomblé, mostrando como se integraram à cultura do País. O próprio termo ôrí, em iorubá, significa 'cabeça', no sentido de consciência. Belas imagens assinadas por Adrian Cooper (e Jorge Bodanzky), mais a trilha de Naná Vasconcelos somam ao interesse do cartaz da TV Brasil. Reprise, colorido, 91 min.

O Pequeno Vampiro

22H45 NO SBT

(The Little Vampire). Alemanha/Holanda/EUA, 2000. Direção de Uli Edel, com Jonathan Lipnicki, Richard E. Grant, Jim Carter, John Wood.

De certa forma inadaptado como George das Selvas, o pequeno vampiro habita o castelo para o qual se mudam garoto e seu pai. A ligação entre ambos os protagonistas infantis, cada qual com seu mundo, é divertida por conta do elenco jovem. No limite, é uma simpática adaptação dos livros de Angela Sommer Bodenburg, muito popularesca na Alemanha (e nos EUA). Reprise, colorido, 105 min.

Ensolarado Byte

0 H NA CULTURA

Brasil, 2005. Direção de Maurício Corrêa da Silva.

Três músicos que são essenciais na cena do Recife - além de pensadores sociais e políticos. O DJ Dolores, pioneiro do Mangue Beat; Neílton, guitarrista da banda de hardcore Devotos; e o coletivo Re:combo, representado por Doktor Mabuse, também pioneiro do Mangue Beat e articulador de uma rica reflexão sobre o uso de conceitos como 'copyleft'. Interessante, e não apenas para quem se liga nos movimentos de contracultura. Reprise, colorido, 54 min.

TV Paga

Zorba, o Grego

14 H NO TCM

(Zorba the Greek). Grécia/EUA, 1964. Direção de Michael Cacoyannis, com Anthony Quinn, Alan Bates, Irene Papas, Lila Kedrova.

Diretor cujo nome virou sinônimo de tragédia grega - Electra, As Troianas e Ifigênia -, Cacoyannis adapta aqui o romance de Nikos Kazantzakis sobre camponês que representa o caráter nacional, no que tem de mais imbatível. Zorba assessora inglês, a quem dá lições de vida. Vencedor dos Oscars de fotografia, direção de arte e atriz coadjuvante - Lila Kedrova, numa interpretação realmente magnífica como Bouboulina, a prostituta que está morrendo. Mas, se ela é boa, o que dizer de Anthony Quinn, num de seus maiores papéis (o maior)? Ou da trilha de Mikis Theodorakis? Um filmaço. Reprise, preto e branco, 146 min.

Jesus Cristo Superstar

15H40 NO TELECINE CULT

(Jesus Christ Superstar). EUA, 1973. Direção de Norman Jewison, com Ted Neeley, Carl Anderson, Yvonne Elliman.

A ópera rock de Tim Rice e Andrew Lloyd Webber sobre a chamada 'maior história de todos os tempos' provocou polêmica e hoje seria insustentável, além de politicamente incorreta, por mostrar um Judas negro. Filmada em Israel, com tanques de guerra que irrompem no deserto, trata-se de uma experiência desconcertante e o curioso é que, hoje, a emissora emenda o filme antigo de Norman Jewison com a produção mais recente, e mais polêmica ainda, de Mel Gibson - A Paixão de Cristo, às 17h35. Reprise, colorido, 103 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.