Animal Planet faz sua primeira produção no Brasil

Faz tempo que o grupo Discovery esboça intenções de produzir programas no Brasil, mas os planos se resumem a gravar aqui apenas novas apresentações, com personalidades nacionais, para documentários que chegam prontos. Agora, sim, anuncia-se um passo mais sólido nesse contexto. Na semana passada, o Animal Planet, canal que pertence ao complexo Discovery, apresentou o resultado de uma parceria entre a série S.O.S Lyndal, co-produzida pelo canal, e a ONG SOS Fauna, que ganhou novas dependências, incluindo um centro de reabilitação para aves apreendidas do tráfico de animais, graças a uma doação de US$ 10 mil feita pelo Animal Planet. O benefício faz parte do projeto global de responsabilidade social do canal, que investiu na produção de um episódio da série S.O.S Lyndal em terras brasileiras. Trata-se de uma produção que se passa em seis países e tem por objetivo mostrar o trabalho de diferentes organizações de proteção aos animais. Com estréia prevista para 2005, o capítulo brasileiro explora o tráfico de animais silvestres e acompanha o trabalho da SOS Fauna. S.O.S Lyndal estreou no dia 27 de agosto e durante o mês de setembro será transmitida às quartas-feiras, às 23 horas. A doação do Animal Planet à SOS Fauna permitiu que a ONG realizasse, pela primeira vez, com o Ibama, uma soltura adequada, no Nordeste, de pássaros que foram apreendidos em São Paulo. Por trás dessa ação pioneira está a documentarista australiana Lyndal Davies, que se sensibilizou quando soube que no Brasil o tráfico de animais silvestres atinge níveis alarmantes. "Quando chegamos a uma vila em Manaus, vimos macacos e araras sendo criados como animais de estimação", disse Lyndal. Vale dizer que essa produção não foi realizada com verba da Ancine, o fundo que permite aos canais estrangeiros aplicar em produções brasileiras 3% do total de impostos que deveriam ser pagos aqui. Como se trata de uma série por todo o planeta, a produção de um episódio não se enquadrou nessa verba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.