Divulgação
Divulgação

Anima Mundi exibe o novo filme de Chico Liberato

O santo e o guerreiro são recriados no longa 'Ritos de Passagem', do diretor veterano no festival

FLAVIA GUERRA - O Estado de S.Paulo,

26 de julho de 2012 | 03h11

Se os organizadores do Anima Mundi trazem os novos talentos da animação mundial, tampouco se esquecem de seus veteranos. É o caso de Chico Liberato. Os animaníacos já sabem. Liberato é um mito. Diretor do primeiro longa de animação do Nordeste (Boi Aruá, de 1983) e terceiro do Brasil, o artista baiano lança agora seu mais novo filme: Ritos de Passagem, que tem sessão hoje, às 13 horas, no Memorial da América Latina 2.

O longa homenageia dois grandes mitos do Nordeste brasileiro: o santo e o guerreiro. Para narrar a saga de Alexandrino e o Santo (protagonistas do filme), que depois de morrer seguem na barca de Caronte (o barqueiro mitológico do Rio da Morte), ele utiliza cores fortes, traços e música expressionistas, que traduzem tão bem o universo do sertão. Ao mesmo tempo, as escolhas estéticas permitem à equipe, composta por diversos novos talentos (afinal, como bom mestre, Liberato sabe incentivar seus pupilos), experimentar à vontade.

Ritos é obra colorida, lúdica e ao mesmo tempo filosófica sobre Lampião e Antônio Conselheiro e sua importância para o imaginário nacional. "É preciso contar a história de nossos indivíduos, antes de mirarmos indivíduos de fora daqui", comentou o animador em seu papo com os espectadores cariocas do Anima Mundi, na semana passada.

Para ele, que hoje mantém uma produtora na Bahia, a história do País não está nas escolas. "Vai muito além de Pedro Álvares Cabral. Está também no universo do sertão, nas disputas, nas figuras que reagem ao poder e ao comando central. É preciso trazer a nossa história para o povo. Os personagens de Ritos são do Brasil", acrescentou. Fica a esperança de que Ritos de Passagem chegue em breve às salas de cinema, tarefa sempre árdua para os longas de animação nacionais, diante de blockbusters dos grandes estúdios americanos.

Por falar em estúdios, hoje também é dia de conhecer o trabalho da Aardman Studios. Especializado em animações em stop motion como A Fuga das Galinhas e Wallace and Gromit, o estúdio ganhou uma sessão especial este ano, a de Os Comerciais da Aardman, que traz os mais inventivos vídeos já produzidos por gente como Jay Grace. Em uma sessão dupla, às 17 horas, no Centro Cultural Banco do Brasil, os lendários comerciais da Aardman serão exibidos em sequência dos vídeos do também lendário PES.

Adam Pesapane, o PES, é famoso por usar a técnica do stop motion para contar histórias inusitadas. Seus filmes são reconhecíveis já no primeiro segundo. Afinal, não são muitos diretores capazes de fazer de objetos comuns verdadeiros personagens. PES já foi premiado nos principais festivais do mundo e tem milhões de views de seus trabalhos na internet.

De volta à Aardman, outra atração do estúdio é Piratas Pirados, um dos longas-metragens que são destaque desta edição. Dirigido por Grace, foi totalmente realizado em stop motion, contou com o trabalho de 300 animadores e demorou sete anos para ser finalizada. O filme tem sessão hoje, às 21 horas, também no Memorial 2.

Tudo o que sabemos sobre:
Chico LiberatoAnima Mundi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.