Angela Ro Ro em nova loucura criativa

"Eu, quando falho, sou melhor do que muitas cantando bem", garante-se Angela Ro Ro, comentando os eventuais efeitos de seus anos desregrados em sua voz. Há 11 ela se livrou do álcool, cigarro, das drogas, e de quase 60 quilos, ao dar as costas à "vida sem qualidade" que levava. A quatro semanas dos 61 anos, a cantora estreia hoje uma série de quatro shows no novo Espaço Acústica, no centro do Rio, cheia de disposição e bom humor.

Roberta Pennafort / RIO, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2010 | 00h00

Não estará sozinha: receberá as duplas Preta Gil e Toni Platão e Geraldo Azevedo e Sandra de Sá. Espera ainda Elza Soares, Elba Ramalho, Ana Carolina e Jorge Vercillo.

No repertório, seus maiores sucessos - Amor, Meu Grande Amor, Simples Carinho, Tola Foi Você, Só Nos Resta Viver... - e, possivelmente, inéditas que compôs com Ana e com Sandra. Continua cantando Meu Mal É a Birita, "mas agora sem ressaca".

"Minha loucura criativa, minha aflição, inquietude, tudo continua, e acho fantástico", contou Angela, numa entrevista no hall de seu prédio, em Copacabana. "Estou tão feliz de estar viva! Eu levava cerca de 40 minutos pra amarrar o cadarço de um tênis. Queria um milagre da vida, não de santos."

Conseguiu seu milagre, e, aos 30 anos de carreira, celebra trabalhando. A seu lado, o tecladista Ricardo Mac Cord, seu parceiro em novas músicas. Nos shows, ela vai vender o último CD de inéditas, Compasso, de 2006, que fez com Mac Cord, e o CD e DVD Escândalo, oriundos do programa homônimo que apresentou no Canal Brasil há cinco anos, e teve como convidados gente como Ney Matogrosso, Leny Andrade e Beth Carvalho.

Pensados como programas de auditório, os shows serão gravados e disponibilizados na internet, no site www.angelaroro.com.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.